Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

País ainda tem cerca de 71000 novos casos de tuberculose anualmente

por Vera Maria Neder Galesi* Publicado em 29/06/2010, às 16h57 - Atualizado às 17h01

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
País ainda tem cerca de 71000 novos casos de tuberculose anualmente
País ainda tem cerca de 71000 novos casos de tuberculose anualmente
O Estado de São Paulo foi o primeiro em número de casos de tuberculose no país em 2009, segundo o Ministério da Saúde, com 15712 ocorrências. Os outros Estados com maior taxa de incidência são: Rio de Janeiro, Amazonas, Pernambuco, Pará e Ceará, de acordo com a mesma entidade. O país, aliás, ocupa a 19ª posição no ranking das 22 nações que concentram 80% dos casos da doença em todo o planeta. Países em desenvolvimento, como o Brasil, são os que concentram a maior incidência, por causa das más condições de vida da população. A cada ano, 2 bilhões de pessoas são infectadas em todo o mundo, 9,4 milhões são casos novos e 1,8 milhão acaba morrendo. Por isso, em 1993 a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a tuberculose uma emergência global. Embora ainda seja grande o número de casos, o país avança no combate ao bacilo. Números do Ministério da Saúde mostram que houve queda significativa na última década: de 51 por cada grupo de 100000 habitantes, em 1998, para 37, em 2008. A taxa de mortalidade também diminuiu 34,25% em uma década. Mas ainda há muito a fazer. Se a tuberculose não for tratada, ela destrói o órgão atingido. Preste atenção nos sintomas básicos, que são: tosse por mais de duas semanas, cansaço, emagrecimento, febre e suor noturno. Para detectar a doença, é feita a coleta de escarro, realizada gratuitamente nos Postos de Saúde. Qualquer um pode contrair o bacilo de Koch, em especial durante o inverno, quando as pessoas passam mais tempo em ambientes fechados. Mas não há motivo para pânico. Na maioria das vezes o microrganismo permanece latente, ou seja, não causa a doença. Cerca de 10% dos infectados a desenvolvem em algum momento da vida. Em geral, quando o sistema imunológico se enfraquece por desequilíbrios passageiros, como um forte estresse, ou por moléstias graves, entre elas o diabetes e a aids. O tratamento consiste em doses diárias de antibióticos durante seis meses. Após quinze dias de medicação, o paciente melhora bastante e muitos abandonam o tratamento. É aí que mora o perigo. Com a desistência, pode surgir uma ameaça mais complexa: a tuberculose multirresistente (MDR). Pior ainda é a tuberculose extremamente resistente (XDR). Nesses casos, o bacilo resiste à maioria das drogas. Começam a surgir casos de XDR em muitos países. Se aumentarem, teremos em breve uma situação gravíssima. Por isso, a recomendação é que o medicamento seja tomado com a supervisão de agentes de saúde para aumentar a chance de cura. Em 2008, cerca de 78% dos doentes em tratamento foram curados. O número só não é maior por causa dos pacientes portadores do HIV, que, pela sua fragilidade, são as maiores vítimas da doença e derrubam os índices. A tuberculose é curável e o tratamento, gratuito. O bacilo deixa de ser transmitido 15 dias após o início do tratamento. A cada mês o paciente necessita fazer exame do escarro para comprovar o efeito do remédio. Para ter maior adesão ao tratamento, o Ministério da Saúde adotou no início deste ano o remédio da dose fixa combinada, ou "quatro em um", como é popularmente conhecido. A vantagem é o aumento do número de drogas de três para quatro em um mesmo comprimido, que é tomado de uma vez só, reduzindo a quantidade de doses diárias.