Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

RPM brinca com figurino anos 70 em gravação de clipe psicodélico

Loiríssimo, Paulo Ricardo se diverte ao gravar novo clipe do RPM. ‘Sempre quisemos usar efeitos baratos e referência psicodélica’

Laís Oliveira Publicado em 07/03/2013, às 08h32 - Atualizado em 10/05/2019, às 11h20

RPM grava clipe com figurino anos 70 e referências psicodélicas - Samuel Chaves / S4 PHOTOPRESS
RPM grava clipe com figurino anos 70 e referências psicodélicas - Samuel Chaves / S4 PHOTOPRESS

O clima descontraído reinou na gravação do novo clipe do RPM, Vidro e Cola (Linda). Paulo Ricardo (50), Luiz Schiavon (54), Paulo PA Pagni (54) e Fernando Deluqui (50) não continham as risadas ao desfilarem pelo estúdio com as roupas brilhantes, estampas geométricas, calças boca de sino, bigodes postiços e topetes. “A ideia é fazermos uma grande homenagem aos primórdios do videoclipe - os toscos mesmo, que é o que nós víamos na nossa adolescência – incorporar nossos ídolos daquela fase fantástica do rock and roll e decidimos brincar com o figurino da época, que é muito rico, interessante”, contou Paulo Ricardo à CARAS Online nesta quarta-feira, 6.

“Fomos num brechó incrível para fazer as caracterizações e foi como uma espécie de Disneylândia, a gente estava se sentindo criança ali, experimentando as coisas, colocando e tirando chapéu, experimentando bandana, tapa olho. Foi um exercício lúdico que nos deu muito prazer”, disse ele, que inclusive clareou o cabelo para a ocasião. “É um mergulho no personagem, para refletir a estética dos anos 70 em diversos aspectos, dar autenticidade ao clipe”, destacou.

Já devidamente caracterizados e maquiados, os músicos realizaram sua performances da música várias vezes, dirigidos por Paulo Trevisan (57). “Eu sou fã da música do RPM e agora estou tendo a honra de fazer um clipe que, mais uma vez, vai entrar para a história do rock nacional”, celebrou o diretor, que já trabalhou com a banda na década de 80, no Fantástico. “Hoje eles gravam em frente do chroma key, a tela verde, e quando formos editar vamos adicionar diversos efeitos visuais de computação gráfica”, adiantou.

“Isso é uma coisa que a gente sempre quis fazer: um clipe com efeitos baratos e referências psicodélicas”, revelou Paulo Ricardo, com o aval de seus companheiros de banda. “Depois de 30 anos de carreira a gente tem uma tranquilidade e conforto de falar: pô, se quando eu era moleque eu fazia o que eu queria, por que hoje com 50 eu não vou fazer?!”, complementou Luiz Schiavon.

“Estamos trabalhando no limiar do ridículo, pode ficar ridículo ou sensacional. A gente espera que a gente possa divertir as pessoas da mesma forma que a gente está se divertindo”, concluiu Paulo Ricardo, ao citar que Vidro Cola (Linda) é uma versão rock da canção homônima do CD Elektra, que estará num documentário da banda a ser lançado neste ano.