Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Renata Fan não quer casar tão cedo

Renata Fan, apresentadora do ‘Jogo Aberto’, fala das novidades no trabalho e sobre o bom momento no namoro com o piloto da Stock Car, Átila Abreu. Apesar do clima de romance, ela ainda não pretende se casar

Redação Publicado em 28/07/2011, às 22h57 - Atualizado em 08/08/2019, às 15h43

Renata Fan - Divulgação
Renata Fan - Divulgação

A carreira de Renata Fan (34) está de vento em popa. A bela, que apresenta diariamente o programa esportivo Jogo Aberto, na Band, está prestes a começar uma atração na internet. “Segunda-feira estou estreando na internet, na iBand. Vou falar não só do campeonato paulista, mas também do brasileiro. Meu programa terá meia hora. Faz seis meses que estamos planejando e estou super ansiosa”, contou a CARAS Online na noite desta quinta-feira, 28. Em meio a tanto trabalho, Renata também arranja um tempo para cuidar do coração. A loira e o namorado, o piloto de Stock Car Átila Abreu (24) - juntos desde 2009, aprenderam a vencer a distância para curtir o romance, porém, ainda não fazem planos para oficializar a união. “O Átila está no Rio de Janeiro. Meu coração está dividido, mas sábado estarei lá, faz três anos que estamos namorando. Mas está bom assim, não pretendemos nos casar tão cedo”.

Apesar de ser uma das poucas apresentadoras esportivas do país, Renata não se sente intimidada e admite que o início da carreira foi complicado. “Eu não vejo a apresentação como sexo masculino ou feminino. Se você ama, você vai se destacar. Foi difícil, mas as pessoas foram entendendo que as mulheres também enxergam o jogo”.

Há oito anos trabalhando com futebol na televisão, celebrados no último dia 11 de julho, a apresentadora fala com propriedade sobre a realidade do futebol feminino no Brasil e sobre a qualidade da jogadora Marta (25), eleita pela FIFA a melhor jogadora de futebol do mundo cinco anos consecutivos. “Ela é a melhor jogadora não só no Brasil, mas também no mundo. As meninas estão provando que, apesar da falta de patrocínio e até de interesse das pessoas, elas podem chegar lá”, afirmou.