Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Relembre os beijos mais emblemáticos do cinema!

Há mais de cem anos, os beijos contam histórias de amor, carinho, amizade e muito mais no cinema mundial. Selecionamos alguns dos mais emblemáticos, confira!

Redação Publicado em 21/04/2013, às 14h43 - Atualizado em 10/05/2019, às 11h20

Relembre os beijos mais emblemáticos do cinema! - Reprodução
Relembre os beijos mais emblemáticos do cinema! - Reprodução

Em 1888, o curta-metragem de apenas dois segundos Roundhay Garden Scene foi lançado pelo inventor Frances Louis Le Prince e reconhecido como o primeiro filme da história do cinema, exibindo dois colegas caminhando e sorrindo no jardim de uma casa. O cinema ainda engatinhava e uma infinidade de temas já eram cobiçados pelos cineastas da época. Mas não era de se estranhar que uma das expressões mais apaixonadas da humanidade ganhasse espaço logo no início da história: o beijo.

Lançado em 1896, apenas oito anos após o marco inicial do cinema do mundo, o curta-metragem O Beijo teve a ousadia de colocar nas telonas os mimos de um casal que se beija para o deleite do grande público em um filme de 26 segundos. O que hoje não passa de uma obviedade entre os casais, no final do século XIX era uma prática que se concretizava apenas dentro de quatro paredes, e a brilhante ideia de transmiti-lo foi do inventor Thomas Edison.

Mais de cem anos depois, os beijos, continuam quebrando tabus dentro e fora do mundo do cinema, e sua trajetória contou com representações tanto quentes como emblemáticos.

Em Adivinhe Quem Vem Para Jantar, de 1967, o diretor Stanley Kramer deu seu recado ao mundo ao retratar os conflitos do casal Drayton, que se vê obrigado a rever seus conceitos quando sua filha Joanna volta para casa acompanhada do noivo, um renomado médico afrodescendente. O filme foi premiado pelo Oscar e BAFTA do ano e consolidou a discussões sobre preconceito em sua geração.

Quase quarenta anos depois, foi a vez do também premiado O Segredo de Brokeback Mountain (2005) abordar outra polêmica em plenos anos 2000 com o relacionamento amoroso entre dois rapazes no Oeste dos Estados Unidos entre as décadas de 1960 e 1980.

Seja qual for sua natureza, um beijo pode representar uma manifestação de amor ou até de transgressão para quem o promove. Pode ser dado ou roubado, e já figurou algumas das cenas mais marcantes do cinema mundial. E para celebrar a importância do beijo nas telonas, selecionamos algumas das representações de carinho mais marcantes que o cinema já produziu. Qual é a sua favorita?