Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Alessandra Ambrosio apresenta o caçula, Noah Phoenix

Com sua Anja, top gaúcha apresenta Noah, o novo integrante da família

Redação Publicado em 26/06/2012, às 13h10 - Atualizado em 28/07/2012, às 14h56

Sexta modelo mais bem paga do mundo, ela abre pela primeira vez seu apartamento na capital catarinense - Bruna Castanheira
Sexta modelo mais bem paga do mundo, ela abre pela primeira vez seu apartamento na capital catarinense - Bruna Castanheira

Ela é um dos ícones fashion mais badalados do momento. Figura no poderoso time de tops que levam o nome do Brasil mundo afora. Mas é longe de todo esse frenesi que Alessandra Ambrosio (31) desfruta os melhores momentos da vida. “Formar uma família era um sonho de menina. Antes de pensar em construir uma carreira, eu já escolhia os nomes dos meus filhos”, revela a gaúcha.

Serena, ela recebeu CARAS, com exclusividade, em seu apartamento, em Florianópolis, tendo nos braços o que chama de seu “segundo milagre”, Noah Phoenix, nascido no dia 7 de maio. “Gerar uma vida é especial”, vibra Alê, mãe de Anja Louise (3), também fruto da união de cinco anos com o empresário norte-americano Jamie Mazur (34). “Me sinto completa e superfeliz ao lado do meu marido e filhos”, ressalta a beldade, que para celebrar o momento doou, em parceria com a Pampers, 150000 reais para projetos sociais do Unicef.

Desdobrando-se em cuidados com os herdeiros, a modelo demonstra tranquilidade e segurança. “Nós, mulheres, temos esse dom”, diverte-se ela, que há 11 anos é uma das angels da grife Victoria’s Secret. “Amo meu trabalho. Ainda há muito o que desejo fazer”, avisa a top, a sexta mais bem paga do mundo, com faturamento de 6,6 milhões de dólares em 2011, segundo a revista Forbes.

–O que mudou na sua vida com a maternidade?

– Vivo para os meus filhos, tudo que faço é pensando no futuro deles. Olhá-los é ver o meu sonho realizado. Quando engravidei da Anja foi uma surpresa e, desde então, vinha planejando um irmãozinho para ela. Não sei se vamos parar por aqui.

– E o Jamie?

– A cumplicidade é maior. Formamos a família que tanto queríamos.

– Ele acompanhou o parto?

– O Jamie estava ao meu lado o tempo todo. Foi ele quem pegou o Noah no colo pela primeira vez e o trouxe para mim. Ele segurava a minha mão e ia filmando com a outra. Os vídeos estão um pouco conturbados, mas valeu a pena. (risos)

– O que sentiu ao ver o Noah?

– Queria ver se ele era perfeitinho, olhei para o rosto dele e perguntei se estava bem, com saúde. Fiquei superagradecida. Ele é um presente. Chorei muito.

– Ele se parece com quem?

– O Jamie acha que ele vai ser mais parecido comigo, tem meus olhos e o meu tom de pele. Lembro que com a Anja não tive dúvidas, me vi no rosto dela. Já com o Noah não consegui decifrar. Talvez pela carinha de menino, ainda estou aprendendo.

– Quem escolheu o nome dele?

– Ficamos entre dois e, então, no dia em que ele ia nascer, pedi à Anja que escolhesse. Noah é um nome bíblico, sempre achei lindo. E Phoenix transmite força.

– Como a Anja o recebeu? 

– Ela estava feliz e muito ansiosa. Assistiu ao nascimento pelo vídeo e até chorou. Ela foi uma das primeiras pessoas a tocar nele e fica toda orgulhosa com isso.

– Ela teve ciúmes?

– Quando voltamos da maternidade ela fez uma apresentação de dança. Não foi ciúmes, mas queria mostrar que tinha coisas novas a oferecer. Agora, ela está toda zelosa, quer mostrá-lo para o mundo. Já o colocou no carrinho de boneca e saiu empurrando pela casa. 

– Por que optou por ter seus filhos no Brasil?

– No caso da Anja, preferi estar aqui para ter meus pais e minha irmã por perto e poder falar a minha língua caso algo ocorresse. Já com o Noah, o plano era que ele nascesse nos EUA, mas cheguei no Brasil e não senti mais vontade de voltar.

– Vê diferença entre ser mãe de menino e menina?

– Com menina já vamos colocando top, saia, brinco. Com menino é mais fácil. Mas há uma coisa forte entre mãe e filho, vira uma paixão louca desde a barriga. Anja e eu temos uma cumplicidade deliciosa, com o Noah a sensação é diferente, é mais protetora. 

– E a rotina de mãe?

– É a melhor coisa da vida. Por mim, ficaria o dia todo grudada neles. Adoro dar banho, fazê-los dormir e, no caso do Noah, amamentar. Me sinto totalmente conectada a ele.

– É difícil dosar trabalho e maternidade?

– Avalio o que realmente vale a pena para me tirar de casa e de perto das crianças. Nada no mundo me faria perder uma data especial ou um momento importante para elas. Abro mão do dinheiro que for. 

– Como é a Alessandra longe das passarelas, no dia a dia?

– Não uso maquiagem, não arrumo o cabelo e procuro usar roupas confortáveis. Meu dia a dia é dos meus filhos.