Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Paulo Vilela: técnica para chorar em cena

Vivendo um dos melhores personagens de sua carreira, Paulo Vilela conta como se preparou para a novela, como faz para chorar em cena e revela ainda que o coração está preenchido com uma nova paixão

Redação Publicado em 24/06/2010, às 16h16 - Atualizado em 02/07/2010, às 11h37

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Paulo Vilela - TV GLOBO
Paulo Vilela - TV GLOBO
Com poucos anos de carreira como ator, Paulo Vilela já tem um currículo e tanto. Depois de participar do sucesso de bilheteria Tropa de Elite e da novela Beleza Pura, da Globo, o moço está arrasando em seu segundo folhetim, Escrito nas Estrelas. Paulo é Breno, um estudante de medicina apaixonado pela personagem da atriz Giovanna Ewbank, a Suely, que só tem olhos para a Gilmar, vivido por Alexandre Nero. Mas foi como o melhor amigo de Daniel, o personagem de Jayme Matarazzo, que ele se destacou desde o início da novela. Uma das cenas mais emocionantes da trama foi quando Breno descobriu que o melhor amigo Daniel (Jayme Matarazzo) havia morrido. Ele precisou pensar em um momento triste de sua vida, como a morte da própria mãe. "Para compor um personagem, nós temos que buscar em experiências que já passamos, mas eu não conheço a morte. Liguei para a minha mãe para pedir um conselho e ela me disse: pensa que eu morri. Caraca! Eu pensei: 'Vou ter que me concentrar muito'. Minha mãe é a pessoa que mais amo na vida", contou o ator, que acabou ficando melhor amigo de Jayminho durante as gravações. Assim como Breno, um cara "gente boa" e idealista, Pedro se considera muito generoso e ético. "Acredito que eu pego um pouco de cada pessoa que eu vou conhecendo na vida. Sou muito observador, viajo pra caramba. Como artista, é preciso ter uma bagagem legal". Essa fase não poderia ser melhor para o ator, que além de ver a carreira indo de vento em popa, teve o coração 'flechado pelo cupido'. "Eu estou conhecendo uma garota, uma menina legal que conheci no Projac", diz Paulo, que não quis revelar o nome da moça. "Só posso dizer que sou um cara para namorar. Nunca fui galinhão. Tive poucas namoradas. Eu gosto de paixão, de dormir junto e falar boa noite. Vamos ver o que vai dar", finaliza.