Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

O Pará em foco no desfile de Ronaldo Fraga

Ronaldo Fraga inova na estética e composição do desfile e faz homenagem ao estado do Pará em seu retorno ao SPFW

Redação Publicado em 12/06/2012, às 21h29 - Atualizado em 13/06/2012, às 00h24

Desfile da grife Ronaldo Fraga - Ricardo Leal / Foto Rio News
Desfile da grife Ronaldo Fraga - Ricardo Leal / Foto Rio News

Conhecido pela ousadia e criatividade, o estilista Ronaldo Fraga inova mais uma vez com a sua coleção preparada para a 33ª edição do São Paulo Fashion Week depois do hiato na última edição do evento de moda. O destaque ficou para o estado do Pará, primando pelo regionalismo, e a música nacional entrou em foco. A cantora Gaby Amarantos, que assistiu a tudo da primeira fila, foi um dos nomes lembrados e homenageados pelo estilista, inclusive com a música Xirley embalando o desfile.

Último desfile desta terça-feira, 12, chamou a atenção do público pela configuração diferente da passarela com folhagens envolvendo toda ela em uma referência à floresta e também pela postura das modelos, que permaneceram imóveis em sequência para que todos pudessem ver seus looks com clareza na abertura e, só depois, já com a luz mais nítida, começaram a se revezar uma a uma, embora com um andar enviezado.

A coleção trouxe vestidos fluidos, longos e curtos, em estampas alegres e coloridas, com pássaros e plantas, além dos motivos geométricos imitando madeira, depois de os neutros já terem sido explorados nos tons do branco e marrom.

Ronaldo finalizou com uma licença poética como se fora uma releitura da carta escrita por Mário de Andrade a Manuel Bandeira, inserida no livro Turista Aprendiz, elogiando o Pará e destacando sua beleza e talentos.

Sobre seu trabalho, o estilista comentou em visita posterior ao Lounge CARAS: "Temos sorte de ter um país com um cultura tão sofisticada, mas que pouco conhecemos e exploramos. Na moda, o erudito e o popular se fundem em um mesmo lugar, com uma interpretação antropofágica, econômica e cultural", opinou. "Em minhas coleções, gosto de deixar um espaço para a experimentação, além dos desdobramentos do que será produzido em escala para consumo", finalizou.