Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

O DRAMA DE FELIPE MASSA NA HUNGRIA

Acidente agita mídia internalcional, que revive a tragédia de Senna

Redação Publicado em 28/07/2009, às 10h33 - Atualizado em 30/07/2009, às 17h16

Massa é levado ao centro médido do autódromo de Hungaroring. - FOTOS: AFP E REUTERS
Massa é levado ao centro médido do autódromo de Hungaroring. - FOTOS: AFP E REUTERS
Quinze anos após o fatídico acidente que resultou na morte de Ayrton Senna (1960-1994), o Brasil, mais uma vez, viu pela TV uma grave colisão pôr em risco a vida de outro ídolo. O drama vivido por Felipe Massa (28) trouxe à tona sentimentos e lembranças de dor e angústia para brasileiros e fãs da Fórmula 1 ao redor do mundo. Atingido por uma mola que se desprendeu do carro de Rubens Barrichello (37), da Brawn GP, que vinha à sua frente no treino classificatório para o GP da Hungria, em Budapeste, no sábado, 25, Massa - abalado com o impacto - perdeu o controle de sua Ferrari, atravessou a caixa de brita e bateu forte na proteção de pneus. O choque entre a mola e seu capacete - que ficou parcialmente destruído - causou um corte acima do supercílio esquerdo de cerca de oito centímetros e traumatismo craniano. A desaceleração, comum nos acidentes automobilísticos, ocasionou uma concussão cerebral, quando a massa encefálica se desloca dentro da caixa craniana. "Eu estava na casa do meu irmão Cacá, no Rio, assistindo ao treino. Eu vi o acidente e a preocupação de todos. Não sabia o que tinha acontecido e a apreensão era grande. Foram muitos telefonemas para entender o que havia acontecido", relatou, emocionado, Popó Bueno (31), filho do narrador esportivo da Globo Galvão Bueno (59). "Felipe é mais que um amigo, é um irmão. Quero estar com a família dele para o que eles precisarem. Quando eu sofri um acidente, ele ficou do meu lado, então, isso é o mínimo que posso fazer por ele, vai dar tudo certo", afirmou Popó, que viajou para a Hungria na segunda, 27, dia em que as notícias já eram animadoras. No segundo dia após o acidente, os relatos davam conta de que Felipe já não estava sedado nem entubado, respondia com coerência às perguntas que eram feitas a ele e seu quadro geral apresentava evolução surpreendente. "Ele acordou da sedação e já consegue se comunicar ativamente, ou seja, reage quando falam com ele. Estamos otimistas, acreditamos que uma recuperação lenta está começando", declarou Istvan Bocskai, do Ministério da Defesa da Hungria. Mas o susto foi grande e o piloto passou por momentos delicados em decorrência do pior acidente de sua carreira. Após colidir com a barreira de pneus, o paulistano foi socorrido na pista e depois levado ao centro médico do autódromo de Hungaroring. Convocado para o exame antidoping, Nelsinho Piquet (24) foi o primeiro colega a ver o ferrarista após a batida. "Não fazia ideia do que havia acontecido, mas percebi que a coisa era séria", disse o filho do tricampeão de F-1 Nelson Piquet (56). Muito agitado, Massa precisou ser sedado e foi levado de helicóptero para o Hospital Militar de Budapeste, onde passou por cirurgia para retirar fragmentos ósseos do ferimento. Após uma hora na mesa de operação, ele foi levado para a UTI e colocado em coma induzido. "Felipe Massa está em estado crítico, porém, estável. Mas ainda corre perigo de morte", declarou, no sábado, Robert Veres, médico que operou Massa. Na segunda, Veres informou que os médicos estavam preocupados com o olho esquerdo do piloto. "Não sabemos exatamente como está, pois é difícil avaliar a visão dele neste momento", afirmou o cirurgião, descartando a hipótese de ameaça à vida do piloto. Mesmo mantendo o otimismo em relação à recuperação de Massa, Veres foi cauteloso ao falar de seu retorno às pistas: "Eu não sei se ele poderá retornar. É cedo para dizer." Apesar da gravidade, Felipe contou com a sorte dos campeões. Bastariam dois centímetros abaixo para que a mola atingisse a viseira de seu capacete, causando fraturas cranianas e, possivelmente, sua morte. Diante desse cenário, a data em que ele ocupará novamente o cock-pit da Ferrari tornou-se assunto secundário. Uma previsão otimista é a de Dino Altman (53), médico pessoal do piloto e diretor médico do GP do Brasil. Segundo ele, se o quadro clínico continuar evoluindo, ele poderia correr o GP de Cingapura, em 27 de setembro. Enquanto isso, alguns nomes já são cogitados para substituir Massa, como os pilotos de teste da Ferrari Luca Badoer (38) e Marc Gené (35). Já para o jornal espanhol As, Fernando Alonso (28), da Renault, poderá ser o substituto de Massa na próxima corrida, em Valência, dia 23 de agosto. O jornal garante que ele já assinou contrato com a Ferrari para 2010 e que a suspensão da Renault para o próximo GP seria a deixa para Alonso fazer sua estreia antecipada na escuderia italiana.