Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

NOITE DE NOSTALGIA E ANIVERSÁRIOS

RIVERS CANTA NO DÉBUT DA REVISTA E EMBALA O PARABÉNS DE MILA

Redação Publicado em 20/05/2008, às 17h41

Johnny Rivers, que não se apresentava no país há dez anos, canta seus sucessos, como Do You Wanna Dance e Baby I Need Your Lovin em shows no Rio e em SP. Mila festeja seus 59 anos. - Carol Feichas, Ivan Faria, João Passos/Brasil Fotop Ress, Luiz Fábio Miranda, Selmy Yassuda/Artemisia e Ramiro de Jesus
Johnny Rivers, que não se apresentava no país há dez anos, canta seus sucessos, como Do You Wanna Dance e Baby I Need Your Lovin em shows no Rio e em SP. Mila festeja seus 59 anos. - Carol Feichas, Ivan Faria, João Passos/Brasil Fotop Ress, Luiz Fábio Miranda, Selmy Yassuda/Artemisia e Ramiro de Jesus
Quando o músico Johnny Rivers (65) tocou as primeiras notas de Secret Agent Man, em mais um show comemorativo dos 15 anos de CARAS no Brasil, os cantores Chitãozinho (53) e Zezé Di Camargo (45) não resistiram aos acordes que pontuaram as aventuras do lendário personagem do cinema inglês James Bond. "Esse cara é demais. Quero chegar aos 60 anos fazendo shows com tanta qualidade assim. Ele era o rei dos bailinhos. Mesmo eu, lá em Goiânia, dançava todos os sucessos dele. Do You Wanna Dance é o seu É o Amor", contou Zezé. Na platéia paulista do HSBC Brasil, Rivers tocou hits agitados, mas também músicas românticas, como Baby I Need Your Lovin e Summer Rain, ambas lançadas em 1966 e até hoje sucesso garantido entre os casais apaixonados. "A mensagem do amor é universal. Gosto muito do timbre da voz dele, é suave. Combina bastante com músicas lentas", disse Chitãozinho, acompanhado pela mulher, Márcia Alves (32). Johnny Rivers também se apresentou no Canecão, Rio, no sábado, 17. Há dez anos sem tocar no Brasil, a última vez havia sido em 1998 durante show gratuito para 70000 pessoas no paulistano Parque do Ibirapuera, Johnny Rivers brincou com a sua ausência. "Eu demorei muito mas estou de volta e isso é o que importa", disse ele, que preferiu concentrar as baladas na primeira metade da apresentação. "Para a gente foi ótimo. Estamos no começo do namoro, né? E foi muito bom ver como ele é leve, carismático e contagia o público. Felipe também adorou. Assim como eu, ele é muito fã de música. Enche meu MP3, sempre com canções bem ecléticas. Gostamos de tudo, desde que seja música de qualidade", contou a atriz Janaína Barbosa (28), ao lado de seu novo amor, Felipe Faria (25). "Foi um show muito melhor do que eu imaginava. Confesso que me surpreendi", completou Felipe. Também vivendo um momento romântico, com casamento marcado para 10 de julho com o cantor de reggae Junior Dread (26), a cantora Negra Li (28) era só elogios. "Ele tem vários clássicos memoráveis. É muito bom", disse. Sobre o casamento, ela confessou que não vê a hora de chegar o grande momento. "Íamos nos casar antes, mas tive que adiar porque viajo em turnê pelo Japão e só volto em junho. Mas estou muito ansiosa. Quero que chegue logo, apesar de já morarmos juntos", completou ela, que namora Junior há quatro anos. Os cariocas também puderam matar a saudade, já que desde 1967, ele não se apresentava na Cidade Maravilhosa. E não decepcionou os fãs. Assim como em São Paulo, Rivers tocou todos seus hits. E além disso, mostrou uma nova faceta, apresentou duas canções com arranjos jazzísticos, que estarão em seu novo CD, ainda sem nome, que lançará em agosto. Animadíssima, a atriz Claudia Alencar (49) não resistiu ao repertório dos anos 60 e logo se levantou para demonstrar sua habilidade com passos de twist, dança criada pelos fãs de rock'n'roll e jazz. "Já dancei muito isso. Johnny Rivers marcou minha vida, principalmente a amorosa. Namorei, desnamorei, traí e fui traída ao som dele", confessou Claudia. O clima de nostalgia também envolveu a atriz Pepita Rodrigues (56). Com o marido, Javier Gabarain (52), ela contou que o músico não embalou os seus namoros, mas marcou muito a sua juventude. "Ele me lembra a época em que freqüentava boates. Era impossível ir para uma pista de dança e não ouvir uma de suas músicas. Mas eu curtia mais esse lado, dançante. Não era de ouvir as baladas. Para mim, ele sempre foi mais um compositor para festas", contou ela. O ator Ney Latorraca (63) foi além e mostrou que Johnny Rivers tem destaque até mesmo em sua vida profissional. "Quando fiz a novela Um Sonho a Mais, em 1985, a música de abertura era uma versão de um grande sucesso dele, Whisky à Go-Go, gravada pelo Roupa Nova. A mesma música também era tema do meu personagem, o Volpone. E este foi um papel importante na minha vida. Então, não tinha como não ser um grande fã dele. Toda vez que me lembro da minha trajetória, me lembro de Johnny Rivers", contou Ney, ao lado da amiga Mila Moreira (59). A atriz agora pode dizer que o músico marcou mais do que o seu passado. À meia-noite, Mila ganhou bolo de aniversário das amigas, a ex-modelo Dalma Callado e a atriz Sylvia Massari (57). "Adorei a surpresa. É muito bom fazer aniversário e este já começou bem, com um show maravilhoso. Não podia ser melhor, não é?", disse Mila. Provando que música de qualidade resiste ao tempo, jovens atores também dançaram ao som de Johnny Rivers e se mostraram grandes fãs. "Descobri por causa dos meus pais. Pensei, se essas músicas fazem parte da história deles, também fazem parte da minha. E chegando aqui, dancei muito. Adorei", disse o ator Rafael Almeida (18), acompanhado pela namorada, a atriz Pérola Faria (16), e pelos próprios pais, Roberto Souza (44) e Cida Almeida (45). Quem também fez questão de levar os pais, Ligia (57) e Paulo Sérgio (59), foi a atriz Bianca Castanho (29). "Eles sempre ouviram muita música. Lembro, quando era pequenininha, da enorme quantidade de LPs que havia lá em casa. Ouvia todos. Aprendi a gostar mais de músicas antigas do que das atuais. Às vezes, acho que eu nasci na época errada", explicou ela, que contou com a cumplicidade da atriz Julianne Trevisol (24). "Na verdade, nunca tinha ouvido Rivers. Mas minha mãe falou que tinha que vir de qualquer jeito porque ia me divertir muito. E ela acertou em cheio", disse Julianne. Mas os elogios não se restringiam ao show. Muitos convidados relembraram também a trajetória de CARAS. "A revista é como uma família. Estive na primeira Ilha e, desde então, fiz várias viagens com a equipe CARAS, que presenciou inúmeros momentos gostosos da minha vida, como o nascimento de minha filha, Yaclara, e seus aniversários de um, dois e três anos", disse Mônica Carvalho (36), que anunciou ainda seu casamento com Alaor Junior (27), com quem namora há oito meses. "Vamos morar juntos no mês que vem, mas no próximo ano devemos nos casar oficialmente. Também queremos muito fazer uma viagem legal só nós dois", contou a Amália Fortunato, de Caminhos do Coração, da Record. "É claro que gosto de Johnny Rivers, mas também vim para prestigiar a revista. Estou no Brasil há 13 anos, praticamente vi a CARAS nascer. E, como eu, ela veio da Argentina. Tenho que estar sempre homenageando os compatriotas", brincou o cônsul argentino no Rio, Luis Eugenio Bellando (49).