Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Moda: Ready to Wear Fall 2010: Giambattista Valli

Nos máximos detalhes.

por Bia Paes de Barros Publicado em 14/06/2010, às 16h35 - Atualizado às 16h35

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Modelagens renovadas e referências sessentinhas para looks ultrafemininos. - MARCIO MADEIRA
Modelagens renovadas e referências sessentinhas para looks ultrafemininos. - MARCIO MADEIRA
Um autêntico italian designer, com passagens por marcas como Fendi e Ungaro, Giambattista Valli aposta na força da alfaiataria para criar mais uma de suas coleções. Desde 2005, o estilista vem trazendo em seu DNA formas e modelagens que não valorizam necessariamente a silhueta feminina, mas sem dúvida tiram a monotonia de qualquer produção básica. O mais controverso destes shapes é o chamado cocoon - estruturas longe do corpo com volumes arredondados. E, por falar em volumes, não faltaram boas idéias nos casacos em tons camelo. Curtinhos para minissaias, ou longos no melhor estilo peça única, eles criam belos contrastes com meias-calça pretas e sapatinhos tipo Chanel. Ainda inspirado pelas criações de mademoiselle, o estilista brinca com tailleurs de tweed nas transparências e aplicações na cintura. O mesmo se repete nos casacos com detalhes de diferentes texturas e nos vestidos de efeito dégradé (não de cores e sim de materiais). Com uma proposta forte e feminina, Valli também vai de encontro aos ícones dos anos 1960. Tubinhos, vestidinhos trapézio e minicomprimentos são suas principais bases para reeditar o passado com olhos no futuro. Romantismo moderninho na medida para agradar às it girls de plantão. Um bom exemplo está no modelito preto e branco finalizado com cintinho laranja. Mix harmonioso e cheio de atitude. E, para aquelas que não dispensam um look preto total, blazer transpassado - detalhe nas manguinhas três-quartos - usado com saia longa levíssima! As cores são neutras, as peças, básicas, mas a coleção vai além da monocromia com suas modelagens e texturas inesperadas. Dizem por aí que o detalhe faz toda a diferença. No caso de Giambattista Valli, a mesma rase merece ser escrita com todos os plurais.