Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Moda: Haute Couture Fall 2012: Elie Saab

Pela boa e nova alta costura.

Por Bia Paes de Barros Publicado em 13/09/2011, às 18h02 - Atualizado em 08/08/2019, às 15h43

Tons claros e o brilho do cristal para um visual festa rejuvenescido. - Marcio Madeira
Tons claros e o brilho do cristal para um visual festa rejuvenescido. - Marcio Madeira

Não é de hoje que a alta costura se tornou menos conceitual e mais comercial, com peças fáceis de entender e modelitos que saem das passarelas direto para o guarda roupa (das bem afortunadas, claro!). Desde que entrou para o universo da moda, o estilista libanês Elie Saab seaproxima cada vez mais desta tendência. O lado bom da “democratização”? Atingir um público mais amplo, mais jovem, e disseminar as ideias com mais rapidez. O lado ruim? Transformar a mais importante vitrina da moda em algo real demais. Contradições à parte, os vestidos de Elie Saab continuam fazendo jus à categoria em que se encontram e são referência quando o assunto é brilho. Mas desta vez os modelitos mais requisitados dos red carpets mundo afora parecem ganhar toques de frescor e mais leveza. Aquela fórmula rebuscada dos bordados, muitas vezes em excesso, dá espaço à atmosfera jovem do cristal. Pontos de luz para rejuvenescer qualquer pretinho básico. E, por falar em pretinhos, eles parecem estar mesmo com os dias contados. Uma boa proposta para substituí-los, sem abrir mão da sua praticidade, está nos tons de azul fechados. Ou ainda, se quiser manter a escolha nos neutros, nada melhor que o bom e novo nude! Se a ideia é atingir mulheres mais contemporâneas e menos clássicas, os curtos fazem bonito no melhor estilo romântico-cool. Já na linha elegância-a-toda-prova os longos com decotes profundos e cinturinha marcada são verdadeiras marcas registradas do designer. Sem falar nos looks cheios de sexy-appeal, com arrasadores decotes nas costas e maxifendas. Pelo visto, a alta costura está não apenas mais democrática, como também mais nova.