Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARAS

Maurren Maggi sobre conquista no Pan: ‘essa medalha tem um sabor especial’

Em entrevista à ‘CARAS Online’, a saltadora brasileira Maurren Maggi ainda falou da força que sua filha, a Sophia, passa para ela: ‘tudo o que faço é pensando nela!’

Redação Publicado em 02/11/2011, às 08h11 - Atualizado em 08/08/2019, às 15h43

Maurren Maggi comemorando a conquista da medalha de ouro no salto em distância - Wagner Carmo / Inovafoto / COB
Maurren Maggi comemorando a conquista da medalha de ouro no salto em distância - Wagner Carmo / Inovafoto / COB

A saltadora Maurren Maggi (35), que conquistou em Guadalajara, no México, sua terceira medalha de ouro em Jogos Pan-Americanos, conversou com a CARAS Online, após chegar ao Brasil, e mostrou estar realizada com o excelente desempenho. “Era minha grande meta do ano, e foi ótimo terminar a temporada com um salto tão bom. Conquistar essa medalha teve um sabor especial, por ser a terceira – um feito inédito no atletismo feminino brasileiro. Foi espetacular!”, disse.

Ao dar a volta olímpica no Estádio Telmex, depois de saltar 6,94 metros, Maurren carregou as bandeiras do Brasil e do México e explicou de onde surgiu essa ideia que acabou cativando e emocionando os torcedores locais. “Fui muito bem recebida no México, e a exemplo do que já fizera em outros lugares onde ocorreu o mesmo, fiz questão de compartilhar aquele momento com os mexicanos. Em Guadalajara, tivemos estádio lotado todos os dias do atletismo, e o público participava muito. Eles têm um carinho especial com os brasileiros, e fiquei feliz em poder, de alguma forma, retribuir”.

Ela não apenas dedicou a conquista ao povo de Guadalajara, como também homenageou aqueles que a apoiaram no passado e que acompanharam sua trajetória no esporte, além de lembrar com carinho da sua filha. “Tem tanta gente que me ajudou... desde meus treinadores e meus médicos (Moisés Cohen e Abdalla Skaff) até meus patrocinadores, que vieram me apoiar quando eu ainda me recuperava de minha cirurgia no joelho. Foi um voto de confiança que me deram, e que fico feliz em poder retribuir com resultados. Há muitas outras pessoas que me ajudaram muito – elas sabem que estou falando delas. Mas a dedicação especial é para a Sophia. Não preciso nem dizer por que”.

Ao ser perguntada sobre a importância de participar da maior competição esportiva das Américas e da união entre os brasileiros no evento, ela respondeu. “Os Jogos Pan-Americanos são uma mini-olimpíada. É o segundo maior evento esportivo do qual podemos participar, e o convívio com os atletas de outras modalidades é muito legal. Todo mundo se dá muita força, o que aumenta ainda mais nossa confiança no momento em que entramos para competir”.

Medalhista de ouro nas Olimpiadas de Pequim, na China, em 2008, Maurren contou que se dedicará ainda mais nos treinos para conquistar o bi em Londres, na Inglaterra, em 2012. “Agora que voltei do Pan-Americano, minha cabeça já está em Londres! Daqui para a frente, toda minha preparação estará voltada para fazer meu melhor nos Jogos Olímpicos”. E ainda acrescentou como será sua preparação até lá. “Terei só três semaninhas de descanso. Com os compromissos pós-Pan, não vou conseguir descansar muito, mas como a temporada terminou muito tarde não posso adiar o início da preparação. A maior parte de meus treinos será feita na pista do Ibirapuera, mas terei também pequenos períodos de treino na Espanha, como fazemos habitualmente. Dentre as competições preparatórias do primeiro semestre, a maior será o Campeonato Mundial Indoor, em Istambul, no mês de março”.

Com muitas competições internacionais em sua agenda, ela também contou como faz para matar a saudade de Sophia enquanto está fora do país e como faz para absorver forças com essa distância. “A Sophia sempre me passa muita força, tudo o que faço é pensando nela! Quando viajo por mais tempo, nos falamos diariamente, normalmente pelo computador. Às vezes ela viaja comigo, mas com os compromissos dela com a escola, isso vai ficando cada vez mais raro”.