Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Marco Faria Côrrea curte inverno gaúcho

Ao lado da família, o cirurgião plástico gaúcho de renome internacional fala de seus desafios profissionais

Redação Publicado em 13/08/2009, às 10h14 - Atualizado em 17/08/2009, às 17h15

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Marco Faria Corrêa com seu clã: o genro Márcio, a filha Bárbara, a esposa Martha, o filho Tiago, a nora Daniela e o neto Leonardo - Ricardo Jaeger
Marco Faria Corrêa com seu clã: o genro Márcio, a filha Bárbara, a esposa Martha, o filho Tiago, a nora Daniela e o neto Leonardo - Ricardo Jaeger
Pioneiro, revolucionário e talentoso são alguns dos adjetivos que definem o cirurgião plástico gaúcho Marco Aurélio Faria Côrrea. Inventor da adaptação tecnológica da vídeocirurgia para a área estética, com clínicas em Dubai e Singapura, o médico esteve em Porto Alegre para amenizar as saudades da família e também atender algumas fiéis pacientes. "Passo só 20% do meu tempo no Brasil. A agenda é intensa, com eventos familiares, amigos para rever e pacientes para operar", conta ele, entusiasmado. As viagens passaram a ser uma rotina na vida de Côrrea, à medida que o sucesso profissional foi crescendo. "Com o uso inovador da vídeocirurgia em plásticas, fiz conferências em muitos países e, em 2000, recebi um convite especial do governo do Oriente para atuar em Singapura", diz. Desde então, o cirurgião experimenta um outro lado da carreira. "A projeção social de um médico lá é incrível. Cheguei como profissional convidado e isso é muito respeitado. Sou tratado quase que como uma celebridade", revela. As diferenças culturais são grandes, mas Marco acredita que a vaidade é um assunto universal. "Independente da raça, da religião ou do país, o ser humano é preocupado com a aparência", afirma. Em suas andanças, o cirurgião com 30 anos de trajetória e mais de 18 mil pacientes atendidos, constatou que as pessoas estão buscando a padronização. "Está tudo globalizado. Cabe ao profissional conduzir a paciente em reconhecer a beleza da sua raça. O bom resultado de uma cirurgia deve ser natural e harmônico", conta. Em Porto Alegre, ao lado da mulher Martha Côrrea ele descansou no aconchegante apartamento que mantém no bairro Bela Vista e brindou as suas realizações à beira da lareira, com a família. "Conquistei as cinco bases que considero para ser feliz que são: família, fama, fortuna, amigos e liberdade", conclui o experiente médico.