Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Luciele: 'Posso ser mais carinhosa'

<i>por Aline Cebalos</i> <br> <br> Publicado em 23/07/2009, às 15h49 - Atualizado em 24/07/2009, às 16h23

Luciele admite que pode haver casamento - Reprodução
Luciele admite que pode haver casamento - Reprodução
Luciele di Camargo foi a sexta eliminada do reality show A Fazenda, da Record, e sua participação foi um pouco polêmica. De personalidade forte, a moça discutiu com vários participantes do programa e deixou bem claro que não leva desaforo para casa. Mas, ao mesmo tempo em que se mostra uma leoa, como ela mesma se descreve, Luciele é doce e sensível. "Sou uma mulher de família, meiga, mas também sou guerreira, sou leoa, sei me defender", diz a namorada do jogador Denílson, com quem pretende se casar e à quem se refere de 'mozão'. "Entrei lá para exercitar isso, aprendi isso, que eu posso ser mais carinhosa com as pessoas, não preciso ser tão rude." Confira a entrevista. - Como você está após a saída da Fazenda? - Está uma maravilha, estou muito feliz e tranquila. Estou cuidando da casa e da família, não tenho saído muito. Fiquei um pouco triste, queria ter ficado mais na fazenda, mas não sinto falta. Estou tão bem aqui fora que, sem brincadeira, tenho a sensação de que nem estive lá. Acho que é porque fui muito bem acolhida, estava com muita saudade da minha família, do mozão... estamos tão bem. - O que aprendeu com a experiência de participar do programa? - Muitas coisas. Aprendi a dar mais valor no que temos, desde as coisas pequenas, como comer tranquilamente, sem ter uma energia muito pesada em volta, a tomar banho sossegada, coisas corriqueiras, que a gente não dá valor. Preciso muito ter meus momentos sozinha, minha individualidade. Estar lá também nos faz ver como as pessoas que você ama e que te amam são importantes, o valor da família... - De todas estas lições, qual foi a mais importante? - A ter mais paciência mesmo. Entrei lá para exercitar isso, aprendi isso, que eu posso ser mais carinhosa com as pessoas, não preciso ser tão rude. Sempre vivi com o lema de que só dou o meu melhor para quem merece e aprendi que posso ceder um pouco mais. - O que foi mais difícil para você durante o período no programa? - Ficar longe das pessoas que eu amo, ficar sem notícias da família e do mozão. Com as tarefas não tinha dificuldade nenhuma, foi até fácil demais. Até para alimentar os animais, que para mim era um pouco mais complicado, pelo fato de eu ser pequenininha e ter que carregar peso, fiz com o pé nas costas. Uma coisa não muito boa é que lá todos nós perdíamos um pouco a noção do horário e acabávamos trocando o dia pela noite, e acordávamos muito cedo. - Alguém te decepcionou? Quem e por quê? - Ninguém me decepcionou. Quando se entra para um projeto desses, é claro que você terá que conviver com pessoas que você não escolhe. Você tem que entrar sabendo disso, e que pode ser agredida de alguma forma. Entrei sabendo que machucada eu sairia, até pela falta que senti das pessoas que amo, mas não me decepcionei com as pessoas. Fiquei um pouco chateada com o Théo (Becker), mas depois nos acertamos. Com a Mirella (Santos) também, por ela ter me virado a cara sem motivo. Mas aqui fora não quero pensar em nada disso, não vou ficar remoendo nada. Quero construir muros que não tinham lá dentro, no sentido de ter privacidade. - E você? Acha que decepcionou algum participante da fazenda ou até mesmo o púbico? - O pessoal da casa acha que eu sou muito dura e do tipo de pessoa que não volta atrás. Mas pedi desculpas várias vezes lá dentro, quando reconheci que errei, mas as pessoas não aceitaram. E acho que não aceitaram até por uma questão de jogo, se você se dá bem com todo mundo não terá em quem votar, sempre tem que ter um mártir. Já o público eu não sei. Lá você mostra um lado seu que os outros não conhecem. Eles tinham uma imagem minha de pequena, meiga... Sou uma mulher de família, meiga, mas também sou guerreira, sou leoa, sei me defender. Tinha esta postura por defesa. Pelo fato de não ter pay-per-view, o contexto se perdia um pouco, não aparecia o porque de eu ter ficado nervosa na edição. - Para você, quem é o maior jogador do programa? - O Carlinhos. Acho que ele está sabendo se colocar e se relacionar muito bem com as pessoas, fazendo bons aliados e isso não é um defeito, nem uma qualidade. É um fato. - Para quem está torcendo? - Para o Jonathan (Haagensen), acho ele um menino sensacional, me vejo muito nele pela humildade, sensatez, ele não faz cochicho, fala o que tem que falar. Sei que esse prêmio vai mudar muita coisa na vida dele, pela sua história de vida. Também torço pelo Pedro, pelo mesmo motivo, um menino sensato. - Porque acha que foi eliminada? - Não sei, depende de com quem se vai para a roça. Fui eliminada com pouca diferença em relação ao Carlinhos. Acredito até que as pessoas que torcem pela Mirella, pela Dani (Souza) e pelo Pedro (Leonardo), que fez um apelo muito forte para que o amigo ficasse, tenham votado em mim. E o público pode não ter gostado da minha verdade também, do modo como eu conduzi as coisas. Fui eliminada porque esqueci do jogo, não joguei em nenhum momento. - Em momento algum você atuou? - Em momento algum. Sou meio ranzinza mesmo e tive uma semana de 'tpm' muito forte lá dentro. Aqui fora já sou assim, meio mal-humorada, mas tenho válvulas de escape, meus amigos, família... lá não tinha para onde fugir. - Acha que falhou no trato com as pessoas alguma vez? Com quem? - Acho que sim. Mudar a minha opinião, acho difícil, mas têm formas e formas de se dizer uma coisa. Eu poderia ter tido mais cautela para expor meu modo de pensar. - A briga com o Dado está repercutindo aqui fora. O que tem a dizer sobre isso? - Nos não brigamos, pelo contrário, tivemos uma excelente convivência lá dentro e até nos aproximamos mais com o tempo. O que aconteceu foi que eu o indiquei para a 'roça' e ele não gostou, não aceitou minhas justificativas. Não podemos levar tanto a ferro e fogo o que se diz lá dentro, todos estão muito sensíveis e na defensiva. Não dá para se prevenir de nada, tem que estar disposto a qualquer tipo de situação. Aprender a aceitar o posicionamento do outro é um aprendizado e tanto.