Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

A história das mulheres à frente do 'Jornal Nacional'

Patrícia Poeta assume nesta terça, 6, o posto que foi de Fátima Bernardes no Jornal Nacional. Relembre outras mulheres que já apresentaram o principal telejornal da Globo

Redação Publicado em 05/12/2011, às 17h42 - Atualizado em 08/08/2019, às 15h43

Fátima Bernardes, Sandra Annenberg, Lillian Witte Fibe e Valéria Monteiro - Reprodução
Fátima Bernardes, Sandra Annenberg, Lillian Witte Fibe e Valéria Monteiro - Reprodução

No ar desde 1969, o Jornal Nacional foi apresentado exclusivamente por homens até a participação eventual, aos sábados, de Valéria Monteiro (46), a partir de 1992. Um ano antes, Sandra Annenberg (43) já aparecia diariamente na previsão do tempo do principal telejornal da Globo, hoje a cargo de Rosana Jatobá (40).

Mas a primeira - e talvez mais importante - mudança na história do JN aconteceu em 1996, quando Cid Moreira (84) e Sérgio Chapelin (70) deram lugar a uma nova dupla. Ao lado de William Bonner (48), Lillian Witte Fibe (58) foi a primeira apresentadora titular. Além de lerem as notícias, os dois também já estavam envolvidos com a edição do telejornal e podiam, eventualmente, comentar os fatos. Era uma tentativa de se aproximar do modelo bem sucedido do TJ Brasil, do SBT, que tinha Boris Casoy (70) na posição de âncora.

Lillian, entretanto, não permaneceu por muito tempo na bancada do Jornal Nacional. Em 1998, a jornalista optou por voltar a São Paulo - e para o Jornal da Globo, que chefiara de 1993 até o convite para o jornalístico do horário nobre. Fátima Bernardes (49), que já era casada com Bonner desde 1990, foi convidada para assumir a cadeira ao lado esquerdo do marido onde se sentou por 13 anos e 9 meses.

Enquanto esteve à frente do JN, Fátima, contratada em 1987 como repórter da emissora carioca, sentia-se à vontade em trabalhar in loco quando a notícia exigia. Apaixonada confessa por futebol, ela imprimiu um estilo mais informal e tentou uma proximidade maior com o telespectador em coberturas de quatro copas do mundo. O carisma fez com que Fátima, que agora parte para voo solo, se tornasse uma das jornalistas mais queridas do País. Sobre o programa que vai apresentar, possivelmente na faixa matutina da grade da Globo, prefere manter mistério. "Desde os tempos da minha avó, sei que o segredo é a arma do negócio", diz.

Na noite desta segunda-feira, 5, Patrícia Poeta (35) - que podia ser vista aos domingos no Fantástico desde 2008 - será apresentada por Fátima, na bancada, como sua sucessora. A jornalista também assume na terça, 6, as funções executivas de Fátima na equipe do JN. E o espaço de outras mulheres no jornal está garantido: Ana Paula Araújo (39), Carla Vilhena (44), Christiane Pelajo (40), Renata Vasconcellos (39) e Sandra Annenberg, de outros noticiários da casa, continuam se revezando nas folgas da nova titular do Jornal Nacional.