Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

HAUTE COUTURE FALL 2010: CHRISTIAN LACROIX

Quem é rei nunca perde a identidade

por <b>Bia Paes de Barros</b> Publicado em 03/08/2009, às 14h56 - Atualizado em 05/08/2009, às 18h45

Volumes de tule e tafetá para reviver os grandes e novos tempos. - MARCIO MADEIRA
Volumes de tule e tafetá para reviver os grandes e novos tempos. - MARCIO MADEIRA
Mesmo passando por uma situação financeira complicada, o estilista Christian Lacroix não se deixou abater. Apresentou um desfile emocionante e cheio de mensagens. Sem dúvida, a mais significativa delas está na maneira como a coleção foi construída. Parceiros fiéis de um dos maiores nomes da moda se juntaram por um propósito mais do que nobre: o próximo inverno! Afinal, com histórico como o de Lacroix, se fosse deixado de fora de uma temporada todos os seus seguidores e admiradores ficariam muito sentidos. Com pouquíssimos recursos e modelos desfilando por um cachê, digamos, simbólico (menos de 100 dólares), o glamour não deixou de aparecer. Vestidos curtos de formas amplas abrem o desfile seguidos por românticos tailleurs com saias godê e blazers curtinhos e acinturados. As peles aparecem nas golas e, junto com mangas longas, criam uma atmosfera invernal para peças sociais. Casacos, também com modelagens mais soltinhas, são uma ótima opção para substituir vestidos e vão à festa nos dias frios. Acompanham belas meias-calça delicadamente bordadas e com suave transparência. Na linha "faça você mesma", estes casacos ganham o charme dos botões e dos broches com pedrarias. Vale investir neste detalhe para mudar o visual das peças e, principalmente, deixálas com mais personalidade. Cores intensas se contrastam no preto-e-branco com fortes pitadas de azul e roxo. Os laços também são elementos de destaque e não perdem seu ar aristocrático seja na gola, seja na forma de amarrar camisas de cetim. Mais volumes ficam por conta de tules e tafetás, nos vestidos com comprimentos mídi. Saias rodadas e decotes tomara-que-caia são perfeitos para estes modelitos cheios de nostalgia. Já os longos ganham assimetrias nas saias sobrepostas e nos tecidos "puxados" dos decotes. E, para finalizar de forma apoteótica, uma noiva cheia de flores coloridas e com jeitão de imagem de santa. Pelo visto, nada mais justo que incluir neste pedestal a força e a paixão de um nome que merece todos os altares da moda.