Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Gisele Fraga na luta para reconstruir o coração

Em Cannes, ela se divide entre triste anúncio do fim do casamento e as conquistas profissionais

Redação Publicado em 04/07/2011, às 17h25 - Atualizado em 06/07/2011, às 13h08

Com exclusividade, atriz fala sobre o término do casamento de cinco anos com Augusto Mendonça, na França. - MATIAS SINDJIC
Com exclusividade, atriz fala sobre o término do casamento de cinco anos com Augusto Mendonça, na França. - MATIAS SINDJIC

Em viagem a Cannes, na França, para divulgar o longa norteamericano The River Sorrow, no qual é estrela ao lado do astro Ray Liotta (56), Gisele Fraga (41) não escondia a satisfação com os rumos que vem trilhando em sua carreira. Afinal, a bela atriz é mais um talento brasileiro que conquista as lentes de Hollywood. O tour, entretanto, não teve o mesmo doce e colorido que Gisele tanto imaginou, já que seu coração estava dividido entre os êxitos da profissão e as feridas deixadas pelo fim da união com o empresário Augusto Mendonça (57), com quem foi casada durante cinco anos, namorou pelo mesmo tempo e não teve filhos. “Nossa história chegou ao fim em janeiro deste ano, logo após um fim de semana feliz na Ilha de CARAS. É um processo doloroso e difícil, pois me casei por amor. A iniciativa partiu dele, então, para mim, esta separação foi uma grande surpresa”, confessa a atriz com exclusividade à CARAS.

Os motivos que levaram ao rompimento ainda são incógnitas para Gisele. “Não sei se Augusto tomou a decisão por ciúmes ou se havia uma terceira pessoa envolvida na história. Hoje, já não quero saber os motivos. Não nos falamos desde o dia em que ele saiu de casa e nossos diálogos se dão através de advogados”, desabafa. Apesar do conturbado momento, as belezas da cidade lhe devolveram a vontade de sorrir. “Augusto viria comigo, mas a vida tomou outro rumo. Mesmo assim, estar aqui é uma experiência incrível, avassaladora”, assegura a bela do Espírito Santo, que aproveitou para fazer compras e passear um pouco.

– Você falou em ciúmes...

– Desde que me casei, não havia feito grandes trabalhos como atriz. No ano passado, voltei a atuar, na novela Uma Rosa Com Amor, do SBT, e depois no filme, além de fazer participação na novela Ti Ti Ti, na Globo. É difícil para quem não está acostumado ao meio aceitar certas situações como a que vivi no longa, em que dei vida ao par romântico de Jack, papel de Ray. Eu mesma acho que não me casaria com um ator. Teria ciúmes...

– Percebeu diferença na relação após fazer o filme?

– No ano passado, quando fui para os EUA filmar o longa, pedi para ele não me acompanhar, pois quando me comprometo com um personagem, gosto de me dedicar integralmente a ele, coloco toda minha alma no papel. Ali, não seria diferente, ainda mais porque estava com medo de errar e acho que acabei me ausentando um pouco da relação. De imediato, ele  concordou e só nos meus últimos 21 dias lá, foi me encontrar. Ali, Augusto já estava diferente comigo, não era mais meu marido. O modo de me tratar, de me respeitar e de cuidar de mim. O casamento dura enquanto há o envolvimento dos dois. Quando um começa a se ausentar, deixa de ser uma união.

– Como era o casamento?

– Nunca faltou conversa na relação e sempre fomos cúmplices. Tentei fazer do nosso casamento tudo aquilo que uma mulher sonha: namoramos, noivamos e casamos. Os amigos diziam que éramos ‘o casal’, que éramos exemplo. Assim como eu, todos que conviviam conosco ficaram surpresos.

– Arrepende-se da união?

– Arrependimento é uma palavra forte. Só me arrependo daquilo que não cuido. Não é o caso. Vivi um grande amor, me dediquei de coração e sempre mostrei às pessoas e mesmo a vocês, de CARAS, que testemunham minha trajetória, um casamento verdadeiro, que achei que duraria para sempre. As pessoas temem encarar seus fantasmas e toda separação é delicada, principalmente se envolve sentimentos. Procurei me resguardar diante do sofrimento. No meu coração ainda há dor, mas hei de superar.

– Há chances de uma volta?

– Não penso nisso. Quando o homem desonra a sua mulher, ele faz uma escolha sem volta.

– Pensa em um novo amor?

– Chorei muito a separação e, nestas horas, temos de estar preparadas e ter maturidade. Por isso, ainda creio no casamento. Acima de tudo, no amor. Sei que meu futuro é brilhante e que há pessoas maravilhosas no mundo, não dá para generalizar quando nos decepcionamos. Sei que Deus me abençoará com um novo amor.

– Por ora, foco na carreira...

– Sem dúvida, participar desta produção foi uma experiência muito rica e já quero atuar em outros filmes, claro. Sinto-me honrada em levar a ‘mensagem’ do talento brasileiro para o exterior, já que sabemos que são poucos os artistas que têm esta chance de ouro.