CARAS Brasil
Busca
Facebook CARAS BrasilTwitter CARAS BrasilInstagram CARAS BrasilYoutube CARAS BrasilTiktok CARAS BrasilSpotify CARAS Brasil

Fragilidade dos joelhos vem do fato de que não foram feitos para girar

Moisés Cohen Publicado em 08/06/2006, às 14h26

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Moisés Cohen
Moisés Cohen
A todo momento vemos na mídia notícias sobre atletas, em especial jogadores de futebol, com problemas nos joelhos. São, de fato, articulações muito importantes, às vezes vulneráveis, por sustentarem grande parte do peso corporal. Os joelhos, articulações dos membros inferiores, localizam-se no encontro do fêmur, osso da coxa, com a tíbia e a fíbula, respectivamente osso interno e externo da perna. Em sua porção central anterior fica a patela, que é presa ao fêmur pelo tendão do quadríceps e à tíbia pelo tendão patelar. A estabilidade dos joelhos é dada basicamente pelos ligamentos colaterais medial e lateral (nas laterais interna e externa), cruzado anterior e cruzado posterior (dentro da articulação). Entre o fêmur e a tíbia existe um tecido fibrocartilaginoso chamado menisco. Os joelhos, ao contrário do quadril e de outras articulações, não foram feitos para girar, somente para flexionar e estender. Problemas nos joelhos podem ocorrer com qualquer um. Até recentemente, os homens eram mais atingidos, porque faziam mais exercícios e praticavam mais esportes. Mas nas últimas décadas, com o aumento da prática esportiva pelas mulheres, a incidência de ocorrências nos joelhos nas duas populações, em números percentuais, tende a se aproximar. O primeiro problema na articulação, aliás, pode ser constatado em crianças; parte delas nasce, por exemplo, com o menisco arredondado - o que é chamado de menisco discóide -, quando deveria ter a forma de meia-lua. Se têm sintomas, como dor ou bloqueio articular, o médico intervém e corrige a forma do menisco cirurgicamente. Na infância ainda pode ocorrer a luxação da patela, ou seja, perda do contato com a superfície do fêmur e seu deslocamento, em geral para o lado de fora. Manifesta-se mais em meninas a partir de 8 a 9 anos que apresentam frouxidão nos ligamentos. Normalmente ocorre quando giram a perna. O fenômeno é visível e causa tanta dor que a criança não consegue ficar de pé. Pode desaparecer à medida que ela cresce. Quando ocorre várias vezes seguidas, é preciso corrigi-lo por meio de cirurgia: usa-se um tendão do joelho e prendese uma de suas pontas na patela e a outra no fêmur; desse modo, ela não sai mais do lugar. Já os adolescentes aumentaram demais a carga de atividades físicas nos últimos tempos, até por conta de maior profissionalização e competitividade das categorias de base nos clubes de futebol. Com isso, vêm tendo muitas lesões por sobrecarga, como tendinites e lesõesna cartilagem articular que recobre a ponta do fêmur e da tíbia. Isso atinge também bailarinos que se esforçam muitas horas por dia. Adultos, de outro lado, especialmente quando participam de grande número de competições, também passam a exigir demais das articulações e podem apresentar todo tipo de problemas. Os mais comuns são tendinites e lesões na cartilagem do fêmur, da tíbia e da patela, podendo chegar ao rompimento de tendões e fraturas por estresse. Idosos, finalmente, têm mais lesões de menisco e artrose, ou seja, o envelhecimento natural, com desgaste da cartilagem, que aos poucos é destruída. O resultado é prejuízo para as articulações, tornando os movimentos mais difíceis e doloridos. Os sintomas principais, em todas as situações, são: dor, inchaço e, nos quadros mais graves, dificuldade para exercitar ou andar e até mesmo perda de movimentos. Prevenção, claro, é a melhor alternativa. É possível evitar grande parte dos problemas citados procurando a orientação de um especialista antes de iniciar a prática de qualquer tipo de atividade física. Atletas ou pessoas comuns que fazem atividade física, de outro lado, devem consultar um médico ortopedista ao primeiro indício de dificuldade nos joelhos. A medicina brasileira está entre as mais evoluídas nessa área. As doenças dos joelhos são tratadas com medicamentos, fisioterapia ou cirurgia. Quanto mais cedo o caso for diagnosticado e tratado, mais rápida poderá ser a recuperação e, portanto, o retorno às atividades físicas.