Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Fotodinamicoterapia, uma nova alternativa no tratamento da acne

Patrícia Guedes Rittes (CRM 48444) Publicado em 10/05/2006, às 17h01 - Atualizado em 07/07/2010, às 18h13

Patrícia Guedes Rittes
Patrícia Guedes Rittes
Portadores de acne no país já contam com uma nova forma de tratamento: a fotodinamicoterapia com ácido aminolevulínico (ALA). A terapia, criada nos Estados Unidos e usada lá e em outros países faz alguns anos, consiste em aplicar o ácido nas áreas da doença e, uma hora depois, tratá-las com uma luz especial. A fotodinamicoterapia com ALA vem se mostrando eficaz no controle da acne. Com quatro seções de cerca de 15 minutos - mais ou menos uma por mês -, a pele da pessoa fica livre da moléstia. O tratamento destina-se a todos os portadores. É indicado em especial aos que têm doenças hepáticas ou renais e não podem ingerir antibióticos nem outros medicamentos tradicionalmente empregados no combate à doença. Infelizmente, a fotodinamicoterapia não leva à cura definitiva da acne: em geral dois anos depois ela reaparece e é preciso repetir o tratamento. Outro inconveniente é que o ácido, hoje importado, é caro. Mas isso pode ser superado em breve, já que uma empresa deve passar a produzi-lo no Brasil. A acne é uma doença de pele que se caracteriza pela inflamação da glândula sebácea e do folículo piloso (base do pêlo) existente junto dela. Só para se ter uma idéia da importância da moléstia, é a que mais leva as pessoas ao dermatologista. De 70% a 96% da população pode apresentá-la em algum período. Pesquisas recentes constataram que 40 milhões de adolescentes e 25 milhões de adultos americanos sofrem com a doença. Só um terço procura tratamento, o que envolve gastos de 4 bilhões de dólares anualmente. Ela atinge igualmente homens e mulheres. Pode manifestar-se já a partir dos 4 anos de idade ou em qualquer outro período. É mais freqüente e mais intensa, porém, dos 14 aos 18 anos - nessa fase, vale destacar, 75% a 98% dos indivíduos costumam ser afetados. Ocorre em especial no rosto, peito e costas. O mecanismo de formação da acne é este: o sebo da glândula é produzido mediante a ação do hormônio masculino testosterona, que está presente, claro, sobretudo no homem, mas, em menor quantidade, também na mulher. Pessoas que têm glândulas sebáceas normais, sob a ação da testosterona, produzem somente a quantidade necessária de sebo e não desenvolvem acne. Já a ação do hormônio masculino naquelas cujas glândulas sebáceas são maiores do que o normal leva à produção excessiva de sebo. Isso favorece a proliferação da bactéria Propionium bacterium acnes, presente na pele e que se alimenta do sebo. A conseqüência é a inflamação da glândulae/ou do folículo, ou seja, a formação da acne. Ela pode ficar oculta no interior da pele ou mostrar-se externamente, tornando-se visível. A doença apresenta traços familiares, isto é, se alguém na família a tem, outras pessoas podem vir a desenvolvê-la. Ainda não existe comprovação de que alimentos como chocolate, frituras e amendoim favoreçam o surgimento da acne. Mas estudos americanos recentes constataram que a ingestão de leite bovino está ligada a seu desenvolvimento em meninas no período da puberdade. Outro fator relacionado à formação do fenômeno é o stress, pelo fato de intensificar a produção de testosterona. Grande parte das pessoas, felizmente, tem quadros simples de acne, ou seja, poucas e discretas inflamações. Mas uma minoria sofre muito com o problema. A pele de seu rosto, do peito e das costas se enche de feridas. Elas se acham feias, diminuídas. Sua auto-estima despenca. Abandonam o trabalho; se escondem de amigos, colegas, até de familiares. Isolam-se em casa, o que só faz aumentar-lhes o sofrimento. Tornam-se presas fáceis da depressão e, nas situações mais graves, em especial no caso de indivíduos psicologicamente mais frágeis, é frequënte tentarem o suicídio. O ideal, naturalmente, é consultar um médico dermatologista logo que a moléstia se manifestar. Quanto mais cedo ela for diagnosticada e tratada, claro, maiores as possibilidades de controle e até de cura.