Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Etimologia

por Deonísio da Silva* Publicado em 31/05/2010, às 14h24 - Atualizado às 14h25

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Etimologia
Etimologia
Aspas: do gótico haspa, dobradura, barra que garantia a estabilidade das embarcações e também um instrumento de suplício em forma de "X". O sinal gráfico ganhou este nome porque as vírgulas assim juntadas tornaram-se parecidas com os chifres do boi. O dicionário Houaiss dá apenas o singular para designar esse sinal gráfico usado para abrir e fechar citações alheias. O Aurélio dá apenas o plural, aspas, para cobrir este significado. Barra: de origem incerta, possivelmente do gaulês barro, ponta, extremidade, pelo latim vulgar barra, travessa, tranca de fechar a porta. No português, veio a designar a entrada de baía e de porto, e o local em que o rio deságua no mar ou em que as ondas arrebentam. Barra é também a grade que no fórum separa do público o réu, o juiz, os advogados e as testemunhas. É um dos sinais gráficos mais comuns na escrita, muito usado na informática antes da indicação da rede mundial, abreviada para w.w.w., designando também, no alto da tela dos computadores, o menu com os comandos disponíveis. O sentido de impedir, como a terra e as rochas impedem as ondas do mar, está presente em expressões como "forçar a barra" e "segurar a barra". No Romanceiro da Inconfidência, de Cecília Meireles (1901-1964), barra aparece com um bonito significado poético nestes versos: "De seu calmo esconderijo,/ o ouro vem, dócil e ingênuo;/ torna-se pó, folha, barra,/ prestígio, poder, engenho.../ É tão claro! - e turva tudo:/ honra, amor e pensamento". Cavalheiro: do latim tardio caballarius, pelo espanhol caballero. Esta palavra surgiu no latim no alvorecer do segundo milênio. Até então era milites, de onde veio militar, que designava o guerreiro, a pé ou a cavalo. No português, cavalheiro tornou-se variante de cavaleiro para diferenciar os protetores de jovens, órfãos e viúvas, diferenciando-os dos rudes guerreiros que invadiam os burgos cometendo atrocidades como o estupro. Foi a reconquista militar e religiosa da Península Ibérica que deu ao cavaleiro a aura de homem gentil, educado, transformando-o em cavalheiro. Entornar: de tornar, do latim tornare, voltar, girar, antecedido da preposição em, designando ato de derramar, como na expressão "entornar o caldo", isto é, produzir alguma ação semelhante à que ocorre quando o líquido posto numa vasilha é derramado. No livro Um Dia de Gato, de Valesca de Assis (64), uma das vozes referenciais da literatura brasileira de autoria feminina, o gato Tato morre de ciúme dos bons cuidados recebidos pelo cachorro Bolão: "O caldo entornou, mesmo, quando o pai veio lendo em voz alta, desde a garagem, um convite para levar o Bolão ao novo parque do bairro: lá o seu cachorro sentirá o que é a verdadeira liberdade". É muito conhecida dos amigos a já lendária amizade que a autora tem com os gatos: "Eles sobem na cama, deitam, sobre a barriga do dono e ronronam uma espécie de canção de adormecer". Homilia: do grego homilía, reunião, pelo latim homilia, conversa familiar, fala à comunidade. No português, designa preferencialmente o sermão, comentário feito pelo padre após a leitura do Evangelho, na missa. Mas tem também o significado de admoestação longa e enfadonha, dada a duração das antigas homilias. Afinal, nem todos os padres tiveram ou têm o estilo do padre Antônio Vieira (1608-1697), célebre por suas homilias. Pilates: do nome do alemão Joseph Hubertus Pilates (1883-1967), criador do método de exercícios físicos. Quando menino, sofria de asma e ainda tinha de aguentar o deboche dos colegas, que o chamavam Pôncio Pilatos (século I), assassino de Cristo (entre 4 e 7 a.C.-entre 29 e 26 d.C.), em alusão ao governador romano da Judeia à época em que Jesus foi crucificado. Aos 40 anos, com base no ditado latino Mens sana in corpore sano - mente sã em corpo são -, ele compôs uma série de exercícios baseados em seis princípios: respiração, concentração, controle, alinhamento, centralização e integração de movimentos. A caminho dos Estados Unidos, em 1923, conheceu no navio a enfermeira Clara Pilates (1903-1976), que sofria de artrite. Curou-a com seus exercícios e a fez sua segunda esposa e sócia no estúdio de dança que abriram na cidade de Nova York.