Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Etimologia

Redação Publicado em 17/01/2012, às 09h32 - Atualizado em 08/08/2019, às 15h43

-
-

À toa: do inglês tow, corda para rebocar uma embarcação. O navio está à toa quando é puxado por outro e naturalmente quem decide o rumo a ir é o piloto daquele que puxa, não daquele que é puxado. A expressão veio a designar andar sem destino, despreocupado e também gesto inútil e ainda indivíduo sem qualificação, pessoa à toa. Em A Banda, o compositor e cantor Chico Buarque de Hollanda (67) aproveita a expressão nestes versos: “Estava à toa na vida/ O meu amor me chamou/ Pra ver a banda passar/ Cantando coisas de amor.”

Cérebro: do latim cerebrum, designando os miolos, o que está dentro da cabeça, o órgão que nos faz pensar e desde o Renascimento, por metáfora, um centro de organização, pessoal ou institucional, e também o talento, a capacidade de memorizar e interpretar os dados sensoriais recebidos, utilizando-os para criar. Assim, diz-se de um jogador capaz de ver melhor o jogo e de criar jogadas para os companheiros que é o cérebro da equipe. A mesma metáfora é usada para nomear a sede de computadores como cérebro de uma empresa, organização ou país.

Lavagem: de lavar, do latim lavare, tendo também o sentido de limpar, purificar. Seu étimo está presente em lavabo, eu lavarei, em latim, mas aportuguesado para designar o recinto das residências com pia e água, e às vezes também vaso sanitário, para rápidas abluções e higiene, a popular toalete. O cérebro não pode ser lavado, mas por metáfora, na Guerra da Coreia (1950-1953), foi criada a expressão lavagem cerebral, usada para explicar o número extraordinário de soldados norteamericanos capturados que aceitavam testemunhar contra os Estados Unidos. Durante aquele conflito internacional, a atriz Marilyn Monroe (1926-1962) foi a Seul para levantar o moral dos soldados. A expressão lavagem cerebral serviu também de argumento ao filme O Candidato da Manchúria, de John Frankenheimer (1930-2002), estrelado, entre outros, por Frank Sinatra (1915-1998). Nele, um ex-soldado da Guerra da Coreia, submetido a lavagem cerebral, é filho de um senador medíocre que se torna candidato a presidente dos Estados Unidos. Ao lado da mulher, fria e calculista, compõe um grupo que quer tomar o poder para os comunistas. Depois do assassinato do presidente John Fitzgerald Kennedy (1917-1962), o filme foi retirado de cartaz.

Natural: do latim naturale, declinação de naturalis, designando o que pertence à natureza. Com cerca de 20 designações nos dicionários, é também sinônimo de ilegítimo, como na expressão filho natural, equivalente a bastardo, do francês antigo bastard, hoje bâtard. O filho nascido fora do casamento, em geral fruto de união de homem da nobreza com mulher de classe inferior, tem inúmeras designações em várias línguas, cujo étimo em muitas delas está ligado ao antigo germânico banstu, casamento com uma segunda mulher, de condição social mais baixa. No irlandês antigo o indicativo do filho natural foi a partícula fitz, como no sobrenome Fitzgerald, presente em nomes de famosas personalidades, inclusive no do trágico presidente do Estados Unidos e também no de Ella Jane Fitzgerald (1917-1996), maior cantora de jazz do século XX.

Passarinho: de pássaro, do latim vulgar passaru, alteração do latim clássico passere, designando originalmente o pardal e depois qualquer pássaro pequeno. Está presente nas expressões comer como um passarinho (comer pouco), morrer como um passarinho (morrer sem sofrimento, rapidamente), viu o passarinho verde (está excessivamente alegre) e olha o passarinho! Esta última surgiu do costume dos primeiros fotógrafos de colocar uma gaiola ao lado da câmera para conseguir a atenção das crianças, inquietas com a demora na obtenção das primeiras fotografias.

Troica: do russo troika, trenó puxado por três cavalos ou qualquer conjunto de três animais, pessoas, coisas. É utilizado principalmente para designar, na política, três estadistas, ministros ou funcionários encarregados de executar determinadas ações. Foram assim designados os três representantes — do Banco Central Europeu, do Fundo Monetário Internacional e da Comunidade Econômica Europeia — nomeados supervisores das medidas de austeridade financeira exigidas de Portugal.