Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS
Arquivo / Joias e Acessório

Essência Feminina

Mais que um perfume, o Chanel n°5 é uma assinatura. Símbolo que alia tradição e sofisticação.

<i>por Camila Carvas</i> Publicado em 04/06/2010, às 19h15 - Atualizado em 07/06/2010, às 20h50

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Perfume Chanel n° 5
Perfume Chanel n° 5
A vida é repleta deles. Ninguém vê, mas todo mundo sente. Estão na comida da vovó, na grama molhada, na maresia das férias na praia, nas grandes paixões e, quem diria, até no carro novo. São capazes de atiçar desejos, reavivar antigas memórias e definir personalidades. O olfato é um dos sentidos que primeiro se desenvolve. E ainda bebês, quando os olhos não visualizam direito a própria mãe, é o cheiro do leite materno que diz que ali está nosso maior porto seguro. No final das contas, andamos perfumados para mostrar quem somos e a que viemos. Coco Chanel, por exemplo, veio para inovar. Além das calças femininas e dos tailleurs impecáveis, a estilista francesa deixou como legado um frasco art déco carimbado com o seu sobrenome e um número. Seu número da sorte em uma correlação com seu signo, Leão, a quinta casa do zodíaco. A superstição deu certo. A mistura de óleo de ylang-ylang (uma árvore nativa dos Comores, costa norte da África), neroli, rosas de maio, jasmim, sândalo, vetiver e vanila se transformou no perfume mais conhecido do mundo. "O N°5 é um sucesso comercial, mas vai além", diz Mariana Eleta, da Chanel. "É uma lenda viva, uma construção do imaginário popular que transcende tempo e espaço". Mais que um aroma, ele é umestilo de vida. "Criado em 1921 -época da libertação das mulheres - em 1951, Marilyn Monroedisse que dormia apenas comduas gotinhas de Chanel N°5. A partir daí, além de se referir à liberdade, ele passa a ser um fetiche", diz Raquel Valente, coordenadora do Curso de Moda da Faculdade Santa Marcelina. Até hoje, ninguém criou uma fragrância que superasse o Chanel N°5, em parte, porque a marca é muito forte. "Ela mantém a questão da mulher feminina e continua bem representada por Karl Lagerfeld", diz Raquel. E produzir essas gotas cheirosas- e caras - é complexo. As rosas de maio, como o próprio nome diz, florescem uma vez por ano e por um período de três semanas. Com inúmeras pétalas e um enorme poder olfativo, elas são extremamente finas e frágeis. Por conta disso,sua produção se torna ainda mais valiosa. E árdua. A colheita tem que ser feita de manhã, antes que o sol forte apareça. Enquanto isso, as flores de ylang-ylang são destiladas em vapor e a Chanel usa apenas o óleo essencial de grau extra superior. Para se conseguir menos de 60 ml de extrato de jasmim são necessárias cerca de três mil flores. Esses detalhes garantem a mágica da fórmula que está prestes a completar 90 anos e nunca foi alterada. Manter essa combinação perfeita entre flores, frutas, madeiras e óleos é a missão do perfumista Jacques Polge. Ele é o nariz da Chanel desde 1979, único a conhecer as fórmulas da marca e comanda uma equipe de 15 pessoas. A mistura de matérias-primas e a adição de álcool são feitas sob a tutela de Polge no próprio laboratório da marca. Lá, os preciosos componentes usados nas criações são guardados em centenas de pequenos frascos azuis, porque essa cor de vidro é a que melhor protege as essências contra os raios do sol. Sem nunca sair de moda, o N°5 só se tornou mais valioso com o passar do tempo. Hoje, 50 ml custam mais de R$ 300. E seu sucesso originou outras versões. O chamado "flanker" é uma extensão de uma marca já consagrada, mas que supre as necessidades de um certo momento da sociedade. O N°5 Eau Première foi criado por Jacques Polge em 2008 com notas mais leves e frescas que a fórmula de Ernest Beaux, dada de presente a Coco Chanel em 1921. "Se o No5 pode ser considerado uma pintura, o Eau Première é como uma aquarela", compara Eleta. E como todo bom perfume é uma preciosidade, deve ser tratado como tal. Para preservá-lo, o ideal é mantê-lo longe de seus piores inimigos: o calor, o ar e a luz. Por isso, a recomendação dos especialistas é fechar bem os frascos e conservá-los, sempre que possível, nas embalagens originais. "Seguindo essas regras básicas, a fragrância dura meses", diz Eleta. E na hora de usar, são duas as maneiras mais indicadas. Uma delas é aplicar o perfume diretamente na pele e ressaltar alguns pontos para aumentar o efeito. O modo como ele reage em contato com o corpo dará um toque pessoal. Quem prefere manter a essência original, pode passá-lo na roupa. Mas como os perfumes podem manchar, é melhor borrifar no lado avesso das peças. Seja qual for o tom ou a técnica, perfumes são obras de arte olfativas. E se essa alquimia ainda não transformou floresem ouro, está quase lá.

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!