Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Renato Aragão: 'Enquanto eu estiver vivo, Livian não terá romance nos meus seriados'

Renato Aragão não quer ver a filha Lívian beijando alguém na TV. 'Enquanto eu estiver vivo, Livian não vai ter romance nos meus seriados', disse

Redação Publicado em 14/12/2011, às 14h06 - Atualizado em 08/08/2019, às 15h43

Renato Aragão e a filha Livian - Raphael Mesquita / PhotoRioNews
Renato Aragão e a filha Livian - Raphael Mesquita / PhotoRioNews

Nada de beijo 'técnico'. No que depender deRenato Aragão (76), a filha Livian Aragão (12) não terá cenas românticas tão cedo na TV. "Enquanto eu estiver vivo, Livian não vai ter romance nos meus seriados", brincou o humorista durante coletiva de lançamento da nova temporada do programa Acampamento de Férias III – O Mistério da Ilha do Corsário, nesta quarta-feira, 14, o Rio de Janeiro.

A minissérie de cinco capítulos será exibida de 2 a 6 de janeiro, após a Sessão da Tarde. Nesta temporada, que foi gravada há um ano e só será exibida agora, Didi e os jovens aventureiros vivem uma emocionante busca por uma coroa encantada, que está escondida na Ilha de Corsário. O elenco conta ainda com Giovanna Ewbank (25) e Vanessa Lóes (40), entre outros atores.

Durante a coletiva de imprensa, realizada nesta quarta-feira, o trapalhão contou as aventuras e a sorte que eles tiveram para gravar. “Tivemos que lutar até contra as intempéries. A gente dizia que ia chover muito e que não íamos conseguir gravar. Choveu muito em todos os lugares, menos onde estávamos”, divertiu-se ele.

O artista não descartou uma quarta temporada, mas disse que precisa de fôlego para isso. “É só a gente conseguir fazer, porque dá muito trabalho. O que a gente fez foi milagre e não deve nada a nenhum blockbuster que vemos por aí, em matéria de visual, de ação, de tudo. Só que a gente tem que fazer com qualidade, não pode também. Porque estamos fazendo muita coisa, mas não podemos perder a qualidade. Mas, se começarmos a fazer um especial, um programa semanal, um especial de fim de ano, aí não dá. Ainda esqueci do Criança Esperança. Só o semanal da Turma do Didi já dá trabalho o suficiente”