Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Em 1994, Wando abriu as portas de seu apartamento para CARAS

Relembre reportagem exclusiva publicada em 1994 pela revista CARAS em que o cantor afirma: "para ser bonita, mulher deve saber cruzar as pernas na hora certa e descruzar no momento exato."

Redação Publicado em 08/02/2012, às 13h02 - Atualizado em 08/08/2019, às 15h43

Wando exclusivo nas páginas de CARAS - Arquivo CARAS
Wando exclusivo nas páginas de CARAS - Arquivo CARAS

A notícia de que chegou ao fim a carreira de um dos mais românticos cantores do Brasil, nesta quarta-feira, 8, com a morte de Wanderley Alves dos Reis, o Wando (66), deixa triste uma legião de fãs, acostumada com a imagem de um sedutor. Em 1994, as páginas da revista CARAS já exibiam esse estilo de vida, com a reportagem "Wando fogoso, mas exclusivo".

Na entrevista, publicada na edição que foi às bancas em 14 de janeiro de 1994, Wando falou sobre a rotina com a sua então namorada, a bailarina Darlúcia Annebelle, com quem dividiu uma cobertura duplex de frente para a praia da Barra da Tijuca, no Rio. Na época, ele havia acabado de resolver morar com ela. "Fiquei sete anos fazendo o que todo homem faz: galinhando. Mas ficar assim a vida toda é perigoso. Felizmente, encontrei alguém que me fez ter vontade de dizer 'vem morar comigo'", afirmou.

Durante a entrevista, quando perguntado sobre por que sempre associa mulheres e sexo à comida, Wando respondeu: "Uma mesa farta após o sexo é interessante. Há alimentos que estimulam o sexo, como o licor, ostras, algumas frutas - pêssego em calda, maçã, uva, champanhe e doces. Acho bonitas as cenas dos filmes 9 e 1/2 Semanas de Amor, que usam comida no sexo. Gosto de mexer com a sensualidade".

Embora sempre falasse de assuntos ligados ao sexo, nessa entrevista de 1994, Wando afirma que não se considera um símbolo sexual. "Acho que algumas me desejam. O palco é uma coisa forte, e eu falo de sexo, mas sem seriedade exagerada. Isso atrai. Não me acho bonito. Sou um cara que tem aquela coisa brasileira, a mistura do índio e do negro, mas não sou uma belezoca. As mulheres dizem que eu tenho uma boca legal. Mas, na verdade, elas gostam das coisas que eu falo".