Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Elenco, do grego élegkhos, de início índice, hoje é o grupo de artistas de...

...um espetáculo, além de lista. Pelé é elencado entre os melhores do futebol por seus belos gols ou tentos, do latim talentum, moeda que passou a designar peças usadas para marcar pontos em jogos.

Deonísio da Silva Publicado em 01/03/2007, às 16h57

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Deonísio da Silva
Deonísio da Silva
Afogamento: de afogar, do latim vulgar affocare, do latim clássico offocare, obstruir a fauces, garganta. É uma das principais causas de morte em todos os tempos. Até Deus escolheu o método quando quis acabar com a Humanidade, salvando apenas Noé e sua família, num total de oito pessoas, incluindo o patriarca, quando fez todo mundo perecer no dilúvio. A ira divina decorreu do contexto violento, perverso e corrupto que afetara toda a população. Demonstrando preferência pelo meio, o Senhor voltou a afogar o faraó e seu exército, que perseguiam os hebreus quando deixavam o Egito. Outros métodos de castigos divinos aplicados em pena de morte foram o sal, o fogo e as pragas. A mulher de Lot foi transformada em estátua de sal (Gênesis, 19); os 250 seguidores de Core foram queimados (Números, 16); 14 700 israelitas morreram de pragas ordenadas por Moisés e Arão, depois de reclamarem da execução dos anteriores (Números, 16). E temos ainda o caso de Sodoma e Gomorra, cidades destruídas por chuvas de fogo e de enxofre, também devido a perversões sexuais generalizadas e desrespeito às ordens divinas. Jeová era mesmo durão. Dérbi: do inglês derby, a mais importante e tradicional carreira do turfe inglês, disputada pela primeira vez no século 18 e batizada assim em homenagem a Edward Stanley, 12º conde de Derby, um condado inglês. A palavra nomeou também o primeiro clube de corridas de cavalo do Brasil, fundado no Rio de Janeiro e mais tarde rebatizado como Jóquei Clube. Dérbi passou a designar também os clássicos de futebol. Elenco: do grego élegkhos, pelo latim elenchus, elenco, lista, catálogo, mas seu sentido original era o de índice de livro, marcando destaques de temas ou assuntos. Hoje a palavra é muito usada para o conjunto de artistas que encenam um espetáculo. Aparece também como sinônimo de equipe em esportes coletivos como o futebol. De tempos em tempos se faz o elenco dos maiores jogadores de futebol de toda a história. Um exemplo é o time escolhido pelo inglês Stanley Matthews (1915-2000), que jogou a última partida com 50 anos e 5 dias e atuou desde os 17, por longos 33 anos, sem jamais receber nenhuma advertência nem ser expulso. No elenco de Sir Matthews - ele foi o primeiro jogador britânico a receber esse título, traduzido por cavalheiro - estavam os brasileiros Pelé (66) e Garrincha (1933-1983), o moçambicano que jogou por Portugal Eusébio (65), os argentinos Maradona (46) e Di Stefano (80), que também jogou pela Espanha, o holandês Cruijff (59), o húngaro Puskas (1927-2006), os ingleses Tom Finney (84) e Frank Swift (1913-1958) e os irlandeses Goerge Best (1946-2005) e Peter Doherty (1913-1990). Conterrâneo de Mattews, o jornalista Richard Williams (57) substituiu Garrincha nesse time de sonho por Jairzinho (62). Ringue: do inglês ring, anel, designando também cercadinhos como o tablado onde lutam os boxeadores. O território é privativo da dupla em luta e do juiz apenas. Os treinadores ficam do lado de fora. Alguns escritores intrometidos, entre os quais o poeta inglês Lord Byron (1788-1824) e o romancista e jornalista norte-americano Ernest Hemingway (1899-1961), meteram-se a dar uns murros em profissionais. Byron, vestindo um camisolão, enfrentou seu conterrâneo e ex-campeão de boxe John Jackson (1769-1845). O poeta tinha um mau humor lendário e era violento no ringue. Hemingway lutava em casa, em Havana, quando recebia a visita do ex-campeão de pesos pesados Gene Tunney (1897-1978). Certa vez, também de mau humor, deixou a brincadeira de lado e acertou uma porrada no amigo. Este, usando de técnica, fez com que seu oponente baixasse a guarda e simulou um soco, como se o advertisse a não exagerar de novo, segundo relato dos norte-americanos David Wallechinsky e Amy Wallace em O Livro das Listas, coletânea de curiosidades que já vendeu mais de 8 milhões de exemplares, publicada no Brasil pela Editora Record. Tento: de talento, do latim talentum, moeda romana, porém de denominação vinda do grego tálanton, provavelmente por corrupção da pronúncia em tlanto, tlento e por fim tento. Passou a designar peça de metal, de madeira ou de plástico para marcar pontos no jogo, migrando dali para o futebol, como variante de gol. Nas gravações antigas ainda se pode ouvir os locutores, então chamados de speakers, dizendo que o placar é de tantos tentos, embora gritem gol quando é marcado o tento. Sejam gols, sejam tentos, na antologia dos melhores de todos os tempos estão vários gols brasileiros, entre os quais o de Jairzinho, na Copa de 1970, quando o Brasil derrotou a campeã do mundo Inglaterra por 1 a 0, e o de Pelé, na Copa de 1958, na final contra a Suécia, depois de dar um chapéu no goleiro. Outros tentos foram marcados por modestos jogadores, mas que tiveram grande importância pelo significado, como o de Luiz Adriano (19), do Internacional, na final do campeonato mundial de clubes em 2006, quando o Barcelona de Ronaldinho (26) e mais dez companheiros que estão entre os melhores do mundo nas respectivas posições foi inapelavelmente vencido no tempo regulamentar.