Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Diversidade realça festa contra preconceitos

Estrelas aderem à causa e parabenizam as 12 personalidades premiadas pelo engajamento

Redação Publicado em 05/07/2011, às 19h38 - Atualizado em 06/07/2011, às 13h02

Regina, Garrido, Isadora, Torloni, Piva e Vitória: Rio Sem Preconceito. - GIANNE CARVALHO
Regina, Garrido, Isadora, Torloni, Piva e Vitória: Rio Sem Preconceito. - GIANNE CARVALHO

Repensar a vida, mudar hábitos e investir em atitudes inclusivas nunca esteve tão em voga. E a cidade que mais lança tendências no Brasil apostou na questão da conscientização ao promover o 1o Prêmio Rio Sem Preconceito, no teatro Casa Grande, no Leblon. O evento, uma iniciativa do estilista Carlos Tufvesson (43), titular da Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual, órgão da prefeitura carioca, reconheceu 12 personalidades consideradas emblemáticas na luta contra qualquer tipo de preconceito. Eles foram eleitos por um júri formado por jornalistas. “Era um sonho fazer esse prêmio, porque é uma forma de contribuir para a evolução da sociedade”, disse Tufvesson, que recentemente recebeu um pedido de casamento do companheiro de 14 anos, o arquiteto André Piva (41), responsável pela cenografia da noite.

Uma das mais assediadas do evento foi a modelo transexual Lea T (28), filha do ex-jogador Toninho Cerezo (55). A top, que mora na Europa, veio ao Brasil especialmente para receber a honraria. “Essa foi a retribuição mais importante que tive. Dedico à minha família. Meu pai passou a mensagem de que não se deve abandonar seus filhos, lutar sozinho é muito difícil”, agradeceu Lea. Christiane Torloni (54) e o cantor Toni Garrido (43) foram escalados para comandar a premiação, dirigida pelo ator Guilherme Piva (38). Elegante, usando um vestido decotado da grife Carlos Tufvesson, a atriz exibia o novo visual para a personagem Tereza Cristina, a vilã de Fina Estampa, novela de Aguinaldo Silva (67) com estreia prevista para agosto. “O cabelo é uma referência de um que usei nos anos 80. Pus megahair para chegar ao estilo pantera, que está voltando”, explicou Torloni, que garantiu ter se divertido com as tiradas de seu parceiro de palco, que levou a mulher, Regina Coelho (39), e as filhas Vitória (15) e Isadora (8). “Estamos trabalhando com informação, para que a molecada veja que é importante aceitar as pessoas. É uma idiotice ter preconceito”, afirmou o cantor do Cidade Negra.

Atração musical da noite, Bebel Gilberto (45) emocionou os convidados ao interpretar três músicas: Aganjú, Você e Preciso Dizer Que Te Amo, esta última dedicada a Lucinha Araújo (74), uma das homenageadas do prêmio, mãe de Cazuza (1958-1990), autor da canção. “O coração disparou. Meu filho dizia que a Bebel era a irmã que ele não teve”, revelou Lucinha, ao ganhar o abraço da cantora.

A diversidade não era apenas celebrada na ideologia do prêmio. A frequência na plateia dava uma ideia da dimensão da iniciativa. De um lado, o prefeito do Rio, Eduardo Paes (42), com a mulher, Cristine (34), parabenizava o novelista Gilberto Braga (64) pela distinção recebida, enquanto o príncipe dom João de Orleans e Bragança (50) se divertia com a filha Maria Cristina (21), que tem Síndrome de Down. Do outro lado, o casal Samara Felippo (32) e Leandrinho (28), jogador do Toronto Raptors, da NBA, se juntava à atriz Bel Kutner (40) para aplaudir o ativismo de pessoas como Bruno Chateaubriand (34). Ao ser laureado, revelou que ele e o companheiro, André Ramos (34), com quem está há 14 anos, lutam para ter o direito de formar uma família e já iniciaram o processo de adoção de um filho.

Estrelas da TV e do teatro também marcaram presença, dando ainda mais prestígio e credibilidade à iniciativa. Foi o caso de Louise Cardoso (57), Zezé Motta (63), Silvia Buarque (42), Bárbara Borges (32) e Arlete Salles (69), que exibia visual mais enxuto, mesmo usando pesado sobretudo. “Me preparei para voltar às novelas, porque a TV de alta definição deixa todo mundo uma bola. Perdi cinco quilos com ginástica e ajuda da nutricionista. Estou com 60, ainda faltam dois”, contou Arlete, que encarnará uma taxista em Fina Estampa. Além dos já citados, também foram premiados o deputado federal Jean Wyllys (37), a cantora Preta Gil (36), o rabino Nilton Bonder (53), o apresentador Luciano Huck (39), o jogador de vôlei Michael Santos (28), o ministro do STF Ayres Britto (68) e o novelista Ricardo Linhares (49).