Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

DIÁFANAS E EXCÊNTRICAS, AS ATRIZES PARAM CANNES

SEMPRE DEMOCRÁTICO, TAPETE VERMELHO CONGREGA ARTISTAS DE NACIONALIDADES E GOSTOS DIVERSOS

Redação Publicado em 30/05/2008, às 19h16

Nos 12 dias do Festival de Cinema francês, as belas se esmeram para atrair os flashes. Phoebe Price vai de zebra; Elsa Zyberstein, de amarelo. - AFP e Reuters
Nos 12 dias do Festival de Cinema francês, as belas se esmeram para atrair os flashes. Phoebe Price vai de zebra; Elsa Zyberstein, de amarelo. - AFP e Reuters
por Alberto Santiago e Ana Ligia Sampaio Entre cinéfilos, o Festival de Cannes é uma das três mais respeitadas mostras internacionais de cinema ao lado de Berlim e Veneza. Para os demais - sejam eles atores, produtores, diretores, empresários, endinheirados ou mesmo celebridades - o evento tornou-se ao longo das últimas décadas uma das mais poderosas vitrines para quem almeja o estrelato. Durante exatos 12 dias, o idílico balneário da Riviera Francesa vira o destino certo - desde que os convites certos e as credenciais mais vips façam parte do pacote - para quem quer ver e, principalmente, ser visto. Na disputa por um lugar ao sol no tapete vermelho do Palais des Festivals, o cinema das exibições ofi ciais, vale tudo: looks exclusivos, curvas à mostra, make-up extravagante, jóias milionárias, namorado novo... Mas nesta 61a edição, entre os dias 14 e 25, a maternidade foi a arma infalível. Que o diga Angelina Jolie (32), centro das atenções por conta da barriga de seis meses. Avessa ao burburinho hollywoodiano, Angelina exibiu surpreendentes bom humor e disposição ao lançar duas produções no evento: o filme de animação Kung Fu Panda e o drama The Exchange, dirigido por Clint Eastwood (77), em cuja première ela vestiu caftã de Reem Acra. Com Brad Pitt (44) a tiracolo, a estrela participou de entrevistas coletivas, exibições e reinou no red carpet. Foi também na Côte D'Âzur que a morena confirmou pela primeira vez estar grávida de gêmeos, previstos para a primeira semana de agosto. "Pensamos que seria muito bom dar à luz na França. O francês é a segunda língua em minha casa e meus filhos já começaram a falar este idioma", disse ela, mãe biológica de Shiloh (1) e adotiva de Maddox (6), Pax (4) e Zahara (3). A australiana Cate Blanchett (39) também causou frisson, mas pela silhueta enxuta apenas um mês após dar à luz ao terceiro filho, Ignatius Martin. Nem mesmo as muitas camadas de tecido no longo cor de pêssego by Armani Privé engordaram a bela, como visto na exibição de Ensaio Sobre a Cegueira, do brasileiro Fernando Meirelles (52). Co-protagonista do aguardado Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal, Cate arrasou no visual e aproveitou para reforçar a postura contrária a cirurgias plásticas e tratamentos estéticos mais abruptos, hoje a escolha de nove entre dez estrelas de Hollywood. "Vejo o rosto e o corpo de uma mulher que tem filhos e penso que há ali linhas de experiência que são quase uma pauta musical. Por que erradicálas? A morte não será nem um pouco mais fácil porque o seu rosto não se mexe", sentenciou ela. Com os pequenos Apple (4) e Moses (2) em casa com o pai, Chris Martin (31), da banda Coldplay, Gwyneth Paltrow (35) flanava livre, leve e malhada pelo balneário. Com as madeixas presas em coque, a loira exibiu poderosas jóias Chopard e não menos impressionante look Chanel na première de seu novo filme, Two Lovers. "Senti que pude realmente atuar com liberdade e verdade. Depois de passar um bom tempo apenas em casa, sendo mãe, que é a maior alegria da minha vida, voltar a me sentir uma artista foi uma dádiva", confessou Gwyneth, sobre sua atuação no longa de James Gray (38). Amicíssima de Madonna (49), Gwyneth viu o posto de primeira-amiga momentaneamente ameaçado pela "rival" Sharon Stone (50), quando esta surgiu com Madonna para a exibição do documentário I Am Because We Are, produzido por Madonna sobre os órfãos no Malauí, país de seu filho adotivo, David Banda (1). Usando lindíssimo Chanel Haute Couture, a rainha pop estava emocionada a ponto de não perceber a perigosa transparência da blusa do longo - revelada pela saraivada de fl ashes. "Para mim esta é uma oportunidade incrível de mostrar o filme ao mundo", comentou Madonna. "Quando mandei a fita para a organização, segurei a respiração e fui ficando roxa...", brincou ela. "Dizer que esse filme é um trabalho de amor é trivial. É uma jornada de vida. Espero que, ao vê-lo, as pessoas se inspirem como eu me inspirei." Com quatro filmes previstos para chegar às salas até 2009, Sharon aproveitou o festival para voltar ao topo das manchetes. Dona de invejável boa forma e circulando solteira, ela exibiu guarda-roupa matador. Na noite com Madonna, Sharon usou longo frente-única preto. Já, na exibição de Changeling, optou por modelo amplo em branco com estampa estilizada de bicho byRoberto Cavalli (67). Ainda durante a estada no balneário, ela foi, como sempre, à gala amfAR Cinema Against Aids, que arrecadou 10 milhões de dólares para ações de combate à doença. Também em ritmo de retomada - ela se afastou dos sets para ter a primeira filha, Valentina (8 meses) -, Salma Hayek (41) vestiu looks de grifes comandadas pelo amado, François-Henri Pinault (46), CEO do conglomerado de grifes PPR. A mexicana prestigiou a exibição de Indiana Jones e dividiu opiniões sobre o longa Balenciaga de inspiração latina e diamantes Chopard. Alheia a isso, Salma aproveitou a presença de vips para promover o Partouche Charity Poker Tournament, torneio de pôquer de famosos que destina 1 milhão de dólares para a caridade. O charme europeu foi representado por belezas clássicas como a italiana Monica Bellucci (43). Protagonista do drama Sanguepazzo, de Marco Tullio Giordana (57), a morena em nada lembrava sua personagem Luisa Ferida, que sofre em relacionamento amoroso durante o período fascista, após a Segunda Guerra. De longo branco, Monica exalava sedução. Ao contrário da italiana, a britânica Kristin Scott Thomas (48) surgiu na Croisette para a exibição de Le Silence de Lorna com um vestido amplo na cor azul-royal. Pratas da casa, as francesas Julia Ormond (43) e Judith Godreche (36) foram unânimes na escolha de looks monocromáticos. Do elenco do comentado Che, Julia conquistou elogios dos colegas de elenco Benicio Del Toro (41) e Rodrigo Santoro (33) com look modesto, mas chique. Judith também apostou no preto discreto e acertou. A mais ousada das francesas foi a cantora e atriz Ophélie Winter (34). "Turbinada", escolheu decotes avantajados e tons suaves para destacar o bronzeado. Na exibição de Indiana Jones, Ophélie foi de rosa-bebê e prendeu as madeixas. Já para ver Vicky Cristina Barcelona, de Woody Allen (72), ela optou por cachos e longo esverdeado. Com 22 filmes de vários países - incluindo Linha de Passe, de Walter Salles (52) e Daniela Thomas (48), e Ensaio Sobre a Cegueira, de Fernando Meirelles - na luta pelo prêmio máximo da mostra, a Palma de Ouro, e outros tantos, o saldo de Cannes foi positivo. Mas os poucos deslizes, principalmente os cometidos no território fashion, não foram perdoados. Tida como affaire iô-iô do ator Sean Penn (47), presidente do júri desta edição, a top Petra Nemcova (28) abusou do decote e mostrou mais do que devia na exibição de Un Conte de Noel. No mesmo evento, fashionistas torceram o nariz para a escolha da novata francesa Hafsia Herzi (20) com look sereia prateado, batom forte e cabelão. Tragédias à parte, a atriz francesa Phoebe Price parecia divertir-se à larga na première de Vicky Cristina Barcelona, assumindo sua insana combinação: longo branco e sobrecauda zebrada presa por flor do tamanho de uma vitória-régia. Coisas de Cannes.