Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

‘Depois da Sereia, fiquei com medo de ser assassinada no trio’, diz Daniela Mercury sobre microssérie da Globo

Redação Publicado em 18/01/2013, às 11h11 - Atualizado em 10/05/2019, às 11h20

Daniela Mercury e Isis Valverde - Divulgação
Daniela Mercury e Isis Valverde - Divulgação
A microssérie ‘O Canto da Sereia’, que aborda o assassinado de uma cantora baiana, despertou receio de Daniela Mercury. Nos bastidores do programa ‘Encontro com Fátima Bernardes’, ela disse em tom de brincadeira que ficou com medo de ser assassinada em cima do trio elétrico

Inspiração para a personagem principal do livro de Nelson Motta (68), O Canto da Sereia, a cantora Daniela Mercury (47) afirmou que ficou com medo de repetir a trágica história que se transformou em série da Globo. E, assim como a personagem vivida por Isis Valverde (25), ser assassinada durante uma apresentação no trio elétrico.

Nos bastidores do programa Encontro com Fátima Bernardes, da TV Globo, nesta sexta-feira, 18, Daniela revelou que serviu de inspiração para a criação de Sereia e afirmou em tom de brincadeira: “Depois dela (Sereia), fiquei com medo de ser assassinada em cima do trio”.

“O livro é pautado na minha história. Estive ao lado de Nelsinho e dei argumento para ele. As duas figurinistas que fizeram as roupas da Ísis já tinham feito coisas pra mim, usei por muito tempo. Essa coisa de ela escrever nos cadernos é minha também. Os detalhes ele pegou de mim, mas não necessariamente está associado à realidade”, ponderou.

Apesar da inspiração, Daniela afirma que a personagem não remete a ela e nem a qualquer outra cantora baiana da realidade. “Pelo o que soube, a personagem não remete a alguém específico. É maravilhoso ter uma minissérie pautada no Carnaval da Bahia, mas não acho que me retrata, nem Ivete (Sangalo,40), nemClaudia(Leitte, 32), nem Margareth (Menezzes, 50). Retrata a invenção do autor”.

Na entrevista, a baiana admitiu que ainda não assistiu a microssérie, mas que leu o livro.