Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Cuidado e sinceridade em relação a dinheiro ajuda a proteger o amor

Luiz Alberto Py Publicado em 01/03/2007, às 16h24

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Luiz Alberto Py
Luiz Alberto Py
Recentemente, recebi carta de uma amiga em que apresentava uma questão interessante. "Quando duas pessoas escolhem ficar juntas em uma relação amorosa duradoura, supõe-se uma entrega total. O 'eu' e o 'você' se transformam em 'nós', o casal. Os dois partilham o espaço, a casa, a família, a rotina, as despesas, os problemas. Partilham o sonho, o prazer, a alegria. Observo a dificuldade dos casais, quando ambos têm renda própria, para incluir o dinheiro na partilha. É comum um deles confessar: 'Tenho meus investimentos para o caso de uma separação. Ele (ela) nem sabe quanto dinheiro tenho guardado.' No dia-a-dia, diz: 'Nossa casa, nossa família, nosso carro', mas 'meu dinheiro', 'seu dinheiro'. Como uma relação amorosa vai florescer com essa mentalidade? Em um relacionamento verdadeiro, não deveria o dinheiro estar à disposição de ambos? Aquele que tem mais socorre quem tem menos. Amanhã, a situação pode se inverter: o que tem mais perde o emprego, por exemplo, ou fica doente e gasta tudo que tem ou precisa ajudar um filho em dificuldade. Então, qual o lugar da solidariedade dentro de um casamento quando se trata de dinheiro?" A primeira lembrança que me veio à mente foi um dos conselhos que a cineasta norte-americana Nora Ephron (65) - diretora de Sintonia do Amor e Mensagem para Você, entre outros bons filmes - oferece às mulheres de meia-idade em seu livro Meu Pescoço É um Horror, publicado no Brasil pela Editora Rocco, do Rio de Janeiro, no ano passado: "Nunca se case com um homem de quem teria medo de se divorciar". O fato é que hoje em dia a perspectiva de uma separação deve estar sempre presente na avaliação de um relacionamento e, nesse sentido, a idéia de não misturar os bens quando se casa soa bastante razoável. Mais ainda: no momento em que se instituiu a lei do divórcio no Brasil, a forma-padrão de casamento passou de comunhão total de bens para comunhão parcial, na qual o que cada um possuía antes não é dividido; também não é dividido o que for recebido por herança ou doação depois da união. Quanto à questão da partilha que ocorre em uma relação estável, cabem algumas ponderações. Não se partilham apenas sonhos, prazeres e alegrias, mas também tristezas, sofrimentos e até mesmo pesadelos. O pacote de emoções costuma ser completo e é saudável que seja desse modo. O casamento precisa implicar solidariedade em todos o momentos, não somente nos bons. A partilha de carros, residências, móveis faz sentido por ser algo prático, do cotidiano do casal, porém dinheiro e bens é outra história, como notou - mas não entendeu - minha amiga. A pergunta que cabe é a seguinte: a quem interessa essa partilha de dinheiro e bens? Por que não ficar cada um com o que é seu? Da mesma maneira que é importante haver um espaço de privacidade individual, para evitar a sensação de se estar sendo sufocado pelo outro, é interessante que se evite o sentimento de se estar sendo explorado, que pode ocorrer quando falta, na questão do dinheiro, privacidade e individualidade. Por outro lado, o fato de haver separação nas questões econômicas não impede e até facilita a possibilidade de ajuda recíproca em ocasiões necessárias. Se o meu dinheiro for nosso, como posso saborear a generosidade de dá-lo ao meu parceiro? Para ocorrer uma ajuda é fundamental que haja transparência e lealdade, e bastante cautela de parte a parte, para evitar o surgimento de desconfianças e desonestidades. Cuidado e sinceridade com as questões econômicas e financeiras protegem a relação amorosa de situações que podem destruí-la e criam um sólido alicerce para que cresça e frutifique.