Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Cuidado, dificuldade para respirar às vezes é sintoma da gripe A(H1N1)

Redação Publicado em 31/07/2012, às 10h31 - Atualizado em 01/08/2012, às 18h18

.
.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) divulgou um alerta aos organismos de saúde, em especial do Hemisfério Sul, onde é inverno, para o risco de haver pandemia da gripe A(H1N1) também neste ano. Pandemia quer dizer “grande número de casos de uma doença infecciosa em muitos países ao mesmo tempo”. Ocorre quando aparece um subtipo novo do vírus influenza. Nessa situação, como toda a população é suscetível, existe uma rápida disseminação do microrganismo. A gripe A(H1N1), você sabe, surgiu no México em 2009. O subtipo do vírus influenza denominado A(H1N1) foi responsável pela pandemia de gripe registrada naquele ano. Em agosto de 2010, com base nos dados epidemiológicos, a OMS declarou a pandemia como encerrada.

Para você ter uma ideia da situação atual, somente no Brasil, segundo o Ministério da Saúde, até o dia 12 de julho último foram registrados 1449 casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG), com 159 mortes, em consequência da gripe A(H1N1).

As gripes ocorrem o ano inteiro, claro. Mas são mais comuns no inverno, pois as pessoas passam mais tempo em ambientes fechados, o que facilita a contaminação pelo vírus influenza. O ideal é prevenir-se. Pode-se evitar a contaminação pelo vírus, em especial do tipo A(H1N1), com algumas atitudes básicas. Vacine-se contra a gripe, que confere proteção também para o A(H1N1). Pode ser tomada de graça nas unidades básicas de saúde pelas pessoas suscetíveis a desenvolver quadros mais graves, como idosos a partir de 60 anos; crianças com menos de 2 anos; imunodeprimidos; grávidas; e portadores de doenças crônicas como diabetes, asma, artrose, doenças do coração (com exceção dos hipertensos), dos rins, dos pulmões e do fígado.

Também é importante evitar aglomerações; lavar as mãos com água e sabão e/ou higienizálas com álcool gel várias vezes ao dia, sobretudo ao sair de situações de risco, como transportes públicos e hospitais; não levar as mãos aos olhos, boca e nariz após ter tocado em objetos de uso coletivo; manter a casa limpa e abrir as janelas diariamente para arejá-la; alimentar-se de maneira saudável; tomar ao menos 2 litros de líquidos todo dia; e praticar atividades físicas regularmente. Se você está com sintomas de gripe, procure não frequentar locais públicos, para não contaminar outras pessoas. Se está gripado, tenha sempre à mão um lenço, para cobrir a boca ao tossir ou espirrar.

Os sintomas iniciais da gripe A(H1N1) são os mesmos da comum: febre, tosse e coriza. A diferença é que, no citado grupo de pessoas com as defesas orgânicas debilitadas, pode evoluir para a síndrome respiratória aguda grave. A gripe comum atinge sobretudo as vias aéreas superiores (nariz, ouvido, garganta e laringe). Naquelas pessoas, o vírus pode atacar também as vias aéreas inferiores (brônquios e pulmões), inflamá-las, levar à perda da capacidade respiratória e até matar por deficiência na oxigenação do sangue.

Nesta época de inverno, portanto, quando há casos de gripe A(H1N1) no Brasil, pessoas com febre alta persistente e dificuldade para respirar devem ir ou ser levadas ao serviço de emergência de um hospital. Caso seja preciso, ficam internadas para o controle dos sintomas e o tratamento com remédio específico. Fazem também exame da secreção nasofaríngea para confirmar se se trata mesmo da gripe A(H1N1).