Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Crianças que têm abaulamento na virilha às vezes sofrem de hérnia

José Roberto de Souza Baratella Publicado em 29/03/2007, às 13h14

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
José Roberto de Souza Baratella
José Roberto de Souza Baratella
Hérnia, segundo a definição clássica, é a saída de uma víscera, ou de parte dela, por um orifício natural ou através da musculatura enfraquecida da cavidade que a contém. Existem basicamente dois tipos: a da criança, resultante de um defeito congênito, e a do adulto, que, embora também possa resultar de defeito congênito, muitas vezes se deve ao enfraquecimento da parede muscular. A hérnia inguinal se caracteriza pela passagem de uma porção do intestino da cavidade abdominal para a região da virilha. Na menina, pode haver também a passagem do ovário. Durante a gestação, forma-se um canal de comunicação entre a cavidade peritoneal e a região da virilha, que, nos meninos, termina na bolsa testicular e, nas meninas, na altura dos grandes lábios. Normalmente essa comunicação se fecha e desaparece antes do nascimento; em 1% a 5% das crianças isso não ocorre. Daí a possibilidade do surgimento da hérnia. Por volta de dois terços dos casos de hérnia inguinal ocorrem em meninos. Pode aparecer já ao nascimento, porém é mais comum nos primeiros anos de vida. Por volta de 60% da incidência é à direita, 20% à esquerda e os outros 20% dos dois lados. A observação de abaulamento ou de uma "bolinha" na virilha quando a criança faz força, em geral, é o primeiro sinal que faz a família e o pediatra suspeitarem da existência de hérnia. O abaulamento normalmente aparece porque o íleo, porção terminal do intestino delgado, ou o ovário entram naquele canal que deveria ter fechado durante o período de evolução da criança. Comumente a criança não se queixa de dor, só de desconforto. Além disso, quando ela para de chorar ou de tossir, ou termina a evacuação, a porção intestinal ou o ovário se retraem, o que se chama redução da hérnia. Pode ocorrer, entretanto, de esses órgãos ficarem presos no canal, caracterizando o que se conhece como encarceramento da hérnia. O encarceramento do ovário não costuma causar maiores problemas; mas o do intestino freqüentemente leva a uma diminuição na irrigação sanguínea, podendo provocar sua necrose. Nessa situação, os doentinhos costumam apresentar dor local intensa e muitas vezes vômitos. Trata-se de uma situação de emergência, que, se não atendida a tempo, pode causar grande prejuízo ao órgão e mesmo infecção generalizada, às vezes fatal. Pais que notarem um abaulamento na virilha, ou uma "bolinha" no escroto do filho, devem levá-lo ao pediatra. Mediante exame cuidadoso, o especialista poderá confirmar ou não o diagnóstico e, se necessário, encaminhá-lo ao cirurgião pediátrico, que fará a correção do problema com cirurgia. Nos casos de encarceramento da hérnia, a primeira providência do médico deve ser sempre tentar desencarcerá-la, tanto para aliviar o sofrimento da criança, como para evitar que o quadro se complique. Com sedação e manobras compressivas, ele tentará soltar o intestino aprisionado. É importante ressaltar que a ajuda médica tem de ser buscada logo que os sintomas aparecem, pois a redução da hérnia só é possível nos quadros iniciais. De qualquer forma, quando não se consegue o desencarceramento, a criança é operada de imediato; nos outros casos, dentro de 48 horas. Crianças com a saúde debilitada ou que sofram de doenças cardíacas ou pulmonares devem passar por avaliação clínica rigorosa do risco cirúrgico antes de serem operadas. A cirurgia é realizada em hospital, com anestesia geral. Abre-se a região da virilha e libera-se o órgão encarcerado no canal peritoneal. Em seguida, ele é fechado para se evitar que o fenômeno ocorra novamente. Nos casos em que não existe encarceramento, no mesmo dia da operação o paciente pode voltar para casa e cerca de dois dias após está apto a retomar suas atividades. Caso se tenha extirpado a parte do intestino que ficou encarcerada, a hospitalização e a recuperação se prolongam por até sete dias.