Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARAS

Comum no cinema, andróide vem do grego andrós, homem, e eîdos, figura...

...que parece homem. Um dos sonhos humanos é encontrar alguém com quem dividir a vida, a chamada cara-metade, de cara, do latim tardio cara, rosto, e metade, do latim medietas, metade.

Deonísio da Silva Publicado em 26/04/2007, às 13h10

Deonísio da Silva
Deonísio da Silva
Andróide: do grego andrós, homem, e eîdos (pronuncia-se óidos), aspecto, figura que parece homem, mas não é, já que os gregos tinham o cuidado de separar essência e aparência. A palavra está na língua portuguesa desde o século 19, no entanto ficou adormecida até que os tradutores de Isaac Asimov (1920-1992) a acordaram, pois o escritor norte-americano nascido na antiga União Soviética criou vários personagens andróides. Mas a obra que mais popularizou a figura do andróide foi o filme Blade Runner: O Caçador de Andróides, de 1982, baseado num livro do norte-americano Philip K. Dick (1928-1982) e dirigido pelo inglês Ridley Scott (69).Bissexual: do latim bis, duas vezes, e sexual, de sexo, do latim sexus. Consolidou-se não apenas como indicador de dois sexos na mesma pessoa ou animal, mas também como caracterizador da prática sexual daquele ou daquela que mantém relações com parceiros de sexo oposto e do próprio sexo. Na Antiguidade clássica, os gregos defendiam a bissexualidade. Também na antiga Roma os deuses pagãos não eram castos e refletiam a vivência da época. Contudo, as bacanais, honradas com o patrocínio de Baco, eram festas pudicas se comparadas com o que ocorre no carnaval do país. Cara-metade: de cara, do grego kára, cabeça, pelo latim tardio cara, rosto, e metade, do latim medietate, declinação de medietas, metade, meio. Num casal, cara-metade é cada uma das partes em relação à outra, aquele por quem se tem afinidade. O conceito apóia-se em texto do filósofo grego Platão (427-347), que explica em O Banquete, pela boca do dramaturgo Aristófanes (cerca de 447-385 a.C.): "A princípio havia três espécies de sexo: o masculino, o feminino e o andrógino, que veio a extinguir-se. Cada homem, no seu todo, era de forma arredondada, tinha dorso e flancos arredondados, quatro mãos, outras tantas pernas, duas faces exatamente iguais sobre um pescoço redondo e, nestes, duas faces opostas, uma só cabeça, quatro orelhas, dois órgãos sexuais e todo o resto na mesma proporção". Depois de muitas teorias, Zeus resolveu partir os seres em metades iguais, para enfraquecê-los. Mas cada metade passou a buscar a outra. Quando se encontravam, agarravam-se até uma delas morrer. Conclui Platão: "Desse modo a raça ia se extinguindo". Para evitar o seu desaparecimento, Zeus transpôs os órgãos sexuais para a frente. Assim Platão descreve o surgimento do macho e da fêmea: "Zeus colocou esses órgãos à frente e fez com que os homens procriassem uns nos outros, isto é, o macho e a fêmea". Ginecologia: dos compostos gineco e logia, do grego gynaikós, mulher, e logía, estudo, pelo francês gynécologie, especialidade da Medicina que se ocupa da fisiologia e da patologia do corpo feminino, com ênfase nos órgãos sexuais. O equivalente masculino é a andrologia - do grego andrós, homem. Mulher e homem foram precedidos, segundo a mitologia grega, por seres andróginos, com características, traços ou comportamentos imprecisos, entre masculino e feminino, pois a junção de masculino e feminino num só corpo era indicativa de perfeição. A etimologia vincula andrós a quem fecunda e gyné a quem é fecundado; tal designação é anterior às habituais macho e fêmea, homem e mulher. Malvino: de malva, do latim malva, planta herbácea cujas flores são usadas em chás. Mas Malvino designa o habitante das Ilhas Malvinas. A palavra nada tem a ver com a planta e sim com as ilhas cuja posse foi objeto de guerra entre Inglaterra e Argentina, conflito decisivo para a derrubada da ditadura militar neste último país. O nome das ilhas derivou do francês Malo, de Saint-Malo, nome da localidade de onde foram os primeiros colonos para lá, no século 18. Malo é uma adaptação do latim Maclovius, monge nascido em Gales, no século 6, que criou vários monastérios na Bretanha francesa. Os ingleses, também no século 18, ocuparam a ilha vizinha, a Gran Malvina. Em 1770, os espanhóis compraram a parte dos franceses e expulsaram os ingleses. Em 1816, a Argentina, já independente da Espanha, exigiu o controle das ilhas, que, entretanto, foram retomadas pelos ingleses em 1833, passando a ser chamadas Falkland. Vasculhar: provavelmente do latim vasculeare, de vasculum, vasinho, diminutivo de vas, vaso. O vocábulo nasceu na cozinha, onde designava não apenas vasos mas também outras mobílias pequenas, de uso das donas de casa. Pode ter denominado, entre outros, a pequena pá com a qual são recolhidos ciscos ou migalhas. Nos laboratórios, os vasos passaram a ser usados em pesquisas e veio daí o significado de procurar minuciosamente, investigar, como em "vasculhar uma bibliografia", "vasculhar a casa".