Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARAS

Citações

Redação Publicado em 02/08/2011, às 16h30 - Atualizado em 08/08/2019, às 15h43

.
.

“O rapaz libertário de hoje será amanhã um pai quadrado; a juventude terá como sempre de empurrar os mais velhos para obter espaço.”
Paulo Mendes Campos (1922-1991), escritor mineiro.

“Quem não for belo aos vinte anos, forte aos trinta, esperto aos quarenta e rico aos cinquenta, não pode esperar ser tudo isso depois.”
Martinho Lutero (1483-1546), teólogo alemão.

“Passado presente futuro/ Tiro o alimento de tudo.”
Murilo Mendes (1901-1975), poeta mineiro.

“Vou vivendo assim: felicidade/ na cidade que eu plantei pra mim/ e que não tem mais fim.”
Torquato Neto (1944-1972), poeta e compositor piauiense.

“Escuta a/ voz da/ Sabedoria, que te repete/ o dia inteiro: a vida/ é breve e tu não és como/ as plantas que reverdecem/ depois de podadas.”
Omar Khayyám (1048-1131), poeta, astrônomo e matemático persa.

“Oitenta anos! Nem olhos, nem ouvidos, nem dentes, nem pernas, nem fôlego! E é espantoso, afinal de contas, como conseguimos dispensá-los.”
Paul Claudel (1868-1955), poeta e dramaturgo francês.

“Alma serena, a consciência pura,/ assim eu quero a vida que me resta./ Saudade não é dor nem amargura,/ dilui-se ao longe a derradeira festa.”
Fernanda de Castro (1900-1994), escritora, poeta, dramaturga e tradutora portuguesa.

“A sentença mais correta e ponderada que já se pronunciou sobre a questão do celibato e do matrimônio é esta: ‘Qualquer decisão que tomes, ficarás arrependido.’”
Nicolas Chamfort (1741-1794), jornalista e escritor francês.

“No dia a seguir ao casamento os noivos estão mais velhos cinco anos.”
Will Durant (1885-1981), historiador e escritor norte-americano.

“Eu casei e casei por amor. É a única coisa que desculpa, no meu entender, o casamento.”
Florbela Espanca (1895-1930), poeta portuguesa.

“Aquilo que se faz por amor está sempre além do bem e do mal.”
Friedrich Nietzsche (1844-1900), filósofo alemão.

“Quando rio alto dos outros,/ sorrio também de mim, mas em silêncio.”
Johan Henrik Kellgren (1751-1795), poeta sueco.

“A alegria do solitário é como uma taça de champanhe brutalmente sorvida: altera de imediato os sentidos e produz uma efervescência que se assemelha à dos que não controlam mais o próprio espírito.”
Lúcio Cardoso (1913-1968), poeta e escritor mineiro.

“Nossos problemas atuais se devem ao fato de que aprendemos a controlar de forma aterrorizante as forças da natureza que é externa a nós, mas não aquelas que estão corporificadas em nós mesmos.”
Bertrand Russell (1872-1970), filósofo e matemático inglês.

“Nenhum povo, entendendo a dor, tanto a infligiu; e entendendo os fatos, tão pouco agiu com base neles.”
John Ruskin (1819-1900), poeta e crítico inglês.

“Se não formos capazes de viver inteiramente como pessoas, ao menos façamos tudo para não viver inteiramente como animais.”
José Saramago (1922-2010), escritor português.