Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Carol Castro fala de papel inusitado

Em Cilada.com, Carol Castro vive uma mulher extremamente atraente, mas com um problema pra lá de vergonhoso. À reportagem, a atriz garantiu, com muito bom humor, que qualquer semelhança é mera ficção

Redação Publicado em 07/07/2011, às 07h31 - Atualizado em 11/07/2011, às 20h09

Bruno Mazzeo e Carol Castro em cena de 'Cilada.com' - Divulgação
Bruno Mazzeo e Carol Castro em cena de 'Cilada.com' - Divulgação

Bela, jovem, morena e muito atraente. Predicados que deixariam qualquer homem boquiaberto. E foi dessa forma que Carol Castro (27) construiu sua Mônica, personagem inusitada que ela dá vida no longa-metragem Cilada.com, que chega aos cinemas na próxima sexta-feira, 8.

O charme foi justamente uma ferramenta proposital que Carol escolheu para seu papel, já que em dado momento da trama, ela instiga o protagonista Bruno (vivido pelo ator e roteirista da história Bruno Mazzeo (34)), um publicitário que tem um vídeo infame veiculado na internet por uma ex-namorada traída e vingativa (interpretada pela atriz Fernanda Paes Leme (28)).

“A Mônica é uma executiva que conhece o Bruno no ambiente de trabalho. No começo é uma personagem bem misteriosa, não sabemos muito da função dela no filme. Seria a mulher perfeita, se não fosse por um pequeno defeito”, contou Carol. Durante um romântico encontro, Bruno descobre que Mônica tem um mau hálito insuportável. Grande observador, Mazzeo revelou que situação parecida já aconteceu com um conhecido. “Muitas coisas que eu escrevo são autobiográfica ou biográficas de amigos. A história da Mônica é a única passagem verídica do filme”.

A moça, apesar de seu defeitinho, possui um papel muito importante na vida do protagonista. “Ela é a pessoa que olha dentro do olho dele e fiz o que precisa ser feito”, adiantou Carol que, assim que questionada sobre semelhanças suas com a Mônica, saiu em sua defesa. “Qualquer semelhança é mera ficção (risos). Não tenho nada a ver com a Mônica, mas vou dizer que já passei por uma situação dessas. Eu trabalhei com um colega que tinha muito bafo e, pior, eu tinha uma cena de beijo para fazer com ele! Bom, essas coisas acontecem. A Mônica, por exemplo, poderia ser a mulher ideal, ela só precisa de um toque (risos)”, concluiu a bela.