Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Capa, do latim cappa, agasalho, designa também outras coisas, como...

...a capa das revistas, que protege as páginas internas e anuncia os assuntos principais da edição. Para fazer as revistas, jornalistas precisam entrevistar â¬" do latim inter, entre, e visum, visto â¬" muitas pessoas.

Deonísio da Silva Publicado em 12/04/2007, às 12h22

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Deonísio da Silva
Deonísio da Silva
Aforismo: do grego aphorismós, do verbo aphorízo, separar, pelo latim aphorismus, aforismo, sentença, provérbio. Texto curto ou extrato de texto longo, em prosa ou poesia, que contém algum ensinamento. O político e cientista norte-americano Benjamin Franklin (1706-1790) editou, entre 1733 e 1758, uma célebre coleção de aforismos, no Poor Richard's Almanack. Eis alguns: "O tolo tem o coração na boca; o sábio, no coração"; "Três podem manter um segredo, caso dois morram"; "Trata bem um cretino e ele te trairá; escorraça-o e ele te respeitará"; "Nada seca mais rápido do que uma lágrima"; "O primeiro erro na vida pública é entrar nela"; "Ninguém ensina melhor do que a formiga e ela não diz nada". Quase todos gostavam das frases, mas Franklin também angariou com elas desafetos ilustres. Um deles, o poeta inglês John Keats (1795-1821), chegou a dizer: "As máximas são mesquinhas". Outro, o romancista norteamericano Mark Twain (1835-1910), também o atacou: "Ele prostitui seus talentos para infligir aforismos que tornam os meninos infelizes". Mas o mais inconformado foi o romancista inglês D. H. Lawrence (1835-1910): "Essas máximas foram para mim como que espinhos em carne jovem, não vou ser um pequeno autômato virtuoso". Ele reprovou em especial dois aforismos de Franklin: "A honestidade é a melhor política" e "Não conte com o ovo antes de a galinha botar". As duas, porém, não são dele. A primeira aparece em Dom Quixote, do espanhol Miguel de Cervantes (1547-1616), e a segunda, numa fábula do grego Esopo (século 7-século 6 a.C.).Capa: do latim tardio cappa, agasalho, veste, designando também outras coisas, como a capa das revistas. Feitas de papel mais espesso do que as folhas internas, sua função é a de protegê-las, além de destacar os assuntos principais da edição. O primeiro número da revista Veja, que circulou em setembro de 1968, trazia na capa a foice e o martelo, símbolos do comunismo, em preto, sobre fundo vermelho, com esta chamada: "O grande duelo no mundo comunista". Em março de 2007, ao chegar ao número 2 000, feito raro entre periódicos semelhantes no Brasil, VEJA relacionou as personalidades às quais dedicou mais capas. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (61), que estreou no número 551, quando era sindicalista, ficou em primeiro lugar, com 37 aparições. Seguem-no os ex-presidentes Fernando Collor de Mello (57), com 24; João Batista Figueiredo (1918-1999), com 22; Fernando Henrique Cardoso (75), com 18; Ernesto Geisel (1907-1996), com 16; José Sarney (77), com 15; Tancredo Neves (1910-1985), que não tomou posse, com 12; Emílio Garrastazu Medici (1905-1985), com dez. A revista relacionou também os temas mais freqüentes nas capas: a política ganhou 577 chamadas principais, a economia 278 e o cenário internacional 243. Donaire: do latim medieval donarium, donativo, pelo castelhano donaire, mas já com o sentido de dom natural. Foi por influência da palavra espanhola aire, ar, do latim aer, que passou de donarium a donaire, forma que se conservou em português. Quem tem donaire é pessoa elegante, graciosa. A raiz latina das palavras elegante e elegância tem o significado de saber escolher: a fala, os gestos, o modo de caminhar, as roupas, os sapatos, o corte de cabelo, o perfume. De dom natural, donaire passou a dom cultural, obtido de vários modos e que hoje inclui também cuidados com a dieta e com o nível intelectual. Entrevistar: de entrevista, formada de entre, do latim inter, e vista, feminino de visto, adaptação do latim visum, particípio passado de videre, ver, acrescido do sufixo "ar", que tem o fim de formar verbos a partir de substantivos. Note-se que a língua portuguesa tem as formas visado, visto, observado. Desde o século 17, designou peça de tecido posta entre o forro e a peça transparente do vestuário, o que possibilita entrever. Mas, por influência do inglês interview, entrevista passou a designar encontro, colóquio e mais tarde conversa entre uma pessoa e um ou mais jornalistas, com o fim de revelar aos leitores o pensamento do entrevistado acerca de determinados temas. VEJA mantém a seção Páginas Amarelas, dedicada a entrevistas. Predominaram ali, até hoje, os temas políticos. Fernando Henrique Cardoso foi entrevistado dez vezes; José Sarney, seis; Luiz Inácio Lula da Silva, três. Período: do grego períodos, giro, volta, pela formação peri, que aparece em perímetro, pelo latim periodus, período, época. O fim do século 19 foi apelidado pelos americanos de The Gilded Age, A Idade Dourada, expressão cunhada pelos escritores norte-americanos Mark Twain e Charles Dudley Warner (1829-1900), diferenciando-a de The Golden Age, A Idade do Ouro. A outra seria apenas pintada de ouro.

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!