Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

BIANCA RINALDI EM BUENOS AIRES

COM O MARIDO, EDUARDO MENGA, A ATRIZ REENCONTRA A ARGENTINA

Redação Publicado em 01/06/2006, às 12h15 - Atualizado em 17/01/2019, às 16h26

Bianca encanta-se com os antigos armazéns de Puerto Madero
Bianca encanta-se com os antigos armazéns de Puerto Madero
A Argentina chegou de mansinho na vida de Bianca Rinaldi (31) e acabou ficando de vez, sugerindo uma obra do destino, tamanhas as ligações que a jovem atriz estabeleceu com o país do tango. No ar na televisão brasileira como a médica Joana, de Prova de Amor, da Record, Bianca causa alvoroço em terras portenhas como A Escrava Isaura, que está sendo exibida por lá. Vendida para outros países da América Latina, e para a Europa, Ásia e África, o folhetim repete nos quatro cantos do mundo o sucesso de sua primeira versão, protagonizada por Lucélia Santos (49), em 1976. Convidada especial da entrega do Prêmio Perfil, organizado pela Editora Perfil, responsável pela publicação de CARAS na Argentina, Bianca recebeu nas ruas de Buenos Aires o carinho do público. "É impressionante como Isaura arrebata as pessoas. Também fui arrebatada por ela." Acompanhada do marido, o produtor cultural Eduardo Menga (53) - argentino radicado no Brasil há mais de 40 anos -, ela aproveitou a rápida visita à capital argentina para mostrar ao marido o país que a encanta e comove. "A Argentina surgiu na minha vida quase que por acaso e hoje é parte importante de minha trajetória. Amo este país e, algum dia, gostaria de voltar a viver aqui", sonha. "Hoje retorno a Buenos Aires ainda mais feliz, por estar com meu marido e ter a oportunidade de mostrar a ele meus recantos preferidos da cidade. Até o homem da minha vida é argentino, só pode ser destino mesmo!" O caso de amor entre Bianca Rinaldi e a Argentina vai além da nacionalidade de seu marido, com quem vive feliz há quatro anos, ou do sucesso recente como a escrava branca da adaptação da obra de Bernardo Guimarães (1825- 1884). "Este país marcou minha vida de formas distintas e inesquecíveis", teoriza. Trata-se de um relacionamento iniciado na décadade 90, quando a moça, aos 15 anos, pisou pela primeira viagem na terra onde o francês Carlos Gardel (1890-1935) virou o rei do tango. Como uma das Paquitas de Xuxa Meneghel (43), Bianca viajava a cada 15 dias para lá. "Aqui vivi um mundo de fantasia que marcou crianças e adolescentes do Brasil e da América Latina. Tenho honra de ter participado disso. E viajar para o exterior tão jovem, e trabalhando, contribuiu para meu amadurecimento." As visitas eram corridas e a vontade de conhecer melhor a capital argentina só foi saciada em 1996, quando Bianca ganhou seu primeiro papel de destaque, como a vilã Andréia, da novela Chiquititas, do SBT. "Morei aqui por oito meses, enquanto gravava a novela. Para me sentir mais em casa, comecei a tomar mate. Cultivo o hábito até hoje, no Brasil." Neste período afinou sua sintonia com a cidade. "Adorava passear pela Recoleta e comprar artesanato em Plaza Serrano, em Palermo. E cá estou novamente", diverte- se, equilibrando colares e pulseiras rústicas. "O clima da cidade nesta época do ano também me agrada muito. Esse friozinho é tão bom para namorar", dispara ela, espichando o olho para o marido.