Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS
Arquivo / Parador

BELA TACADA ABRE 3ª EDIÇÃO DO CARAS LADY GOLF

O TORNEIO, NO ITANHANGÁ GOLF CLUB DO RIO, REALÇA O CHARME FEMININO NO ESPORTE

CARAS Digital Publicado em 12/06/2007, às 13h25 - Atualizado em 21/01/2019, às 17h46

As madrinhas dos times: Claudia Lira, Marina, Claudia Alencar, Dany Valente, Sheron, Kelly Key, Janaína, Gabriela, Bia Seidl e Beth Goulart
As madrinhas dos times: Claudia Lira, Marina, Claudia Alencar, Dany Valente, Sheron, Kelly Key, Janaína, Gabriela, Bia Seidl e Beth Goulart

por Luciana Azevedo, Luciana Marques e Sara Paixão Dia de sol e clima agradável no Rio. Aos pés da exuberante Floresta da Tijuca, o Itanhangá Golf Club está pronto para o 3º CARAS Lady Golf. Pelo segundo ano consecutivo, o campo de 1,2 milhão de metros quadrados - considerado um dos melhores do país - recebe o torneio já apontado como o mais charmoso do calendário do esporte no Brasil. Pela imensidão do gramado pontilhado por ipês, paus-brasil e jatobás, um desfile não só de técnica e concentração, mas de beleza e elegância. Dez equipes, cada uma com cinco integrantes, se posicionam para a disputa. Em alusão à delicadeza feminina, os times ganham nomes de pedras preciosas: ágata, topázio, ametista, águamarinha, esmeralda, rubi, safira, diamante, pérola e turmalina. Em cada grupo, golfistas experientes dividem espaço com uma celebridade, eleita madrinha. Mesmo com pouca experiência, a atriz Janaína Barbosa (29) não fez feio. Madrinha da equipe Pérola, ela tentou aplicar no green técnicas adquiridas com a prática da esgrima. "É um jogo estratégico. Requer inteligência e entrosamento com a equipe. Mas, como não tenho habilidade nem técnica, tentei trazer da esgrima a paciência", contou ela. Solteira há cerca de um ano, desde o fim da união com Otávio Mesquita (47), Janaína admite que procura um novo amor. "Preciso beijar na boca!", diverte-se. Também novata no esporte, a atriz Claudia Alencar (56) se encantou com a beleza e a tranqüilidade do local. "O gramado é lindo. E é um silêncio incrível. Me sinto em um outro país", elogiou ela, madrinha da equipe Esmeralda. Totalmente integrada com seu time, Claudia vibrava com cada tacada. "A gente lida com limites. Existe o desafio de enfiar a bola no buraco, mas o legal é que você tem mais de uma chance de acertar, vai se dando oportunidades. E, quando consegue, fica feliz, com aquela alegria infantil. Golfe é um bom vício", constatou ela. Mary Stuart (1542-1587), rainha da Escócia, foi uma das primeiras mulheres a jogar golfe em meados do século XVI. No Brasil, o esporte teve suas pioneiras em campo nos anos 1930 e hoje, segundo a Confederação Brasileira de Golfe, há cerca de 5 000 praticantes do sexo feminino. A evolução se deve, em parte, ao fato de a golfista encontrar no esporte coletivo uma forma de ampliar seu círculo social. "Golfe é bom para se concentrar em um objetivo. Mas no CARAS Lady Golf gosto da farra, da reunião de amigas", contou a atriz Claudia Lira (42), madrinha da equipe Ágata. O desempenho-solo lhe rendeu também o terceiro lugar no Torneio de Putter, realizado em apenas três buracos do putting green (área de treinamento e aquecimento). "Em 2006 estive no V CARAS One Day Golf, na Bahia, e aprendi os truques por lá", comemorou ela, que em breve poderá ser vista na TV na série Mandrake, da HBO. "Saía de casa às 4h da manhã para gravar. Estranhei ficar longe da Valentina, mas foi bom voltar ao trabalho com a equipe da Conspiração", contou ela, referindo-se à filha de 6 meses, da união com o ator Leonardo Franco (41). Em cartaz com a peça Campo de Provas - em seu Espaço Cultural Solar de Botafogo, no Rio -, Claudia também prepara-se para estrear musical sobre a cantora Emilinha Borba (1923-2005), em dezembro. "A mulher precisa ser boa mãe, profissional, amante, tem que malhar e ainda ser boa jogadora de golfe", brincou. No time das heroínas modernas está também Kelly Key (24), madrinha da equipe Topázio. Mãe de Suzanna (6), da relação com o cantor Latino (34), e de Jaime Vítor (2), da atual união, com o empresário Mico Freitas (26), a cantora concilia cuidados com os filhos e carreira. "Estou em turnê pelo Brasil do DVD Por Que Não?, mas não levo meus filhos nas viagens. Fico com a minha família durante a semana e viajo aos sábados e domingos", explicou ela, que deu as primeiras tacadas no torneio. "Nunca tinha jogado golfe de verdade, só no videogame. Aqui, do lado de quem joga bem, acabei me divertindo", disse Kelly. Desde o primeiro encontro no green, a empatia entre as convidadas vips e as jogadoras de clubes do Rio, de Brasília, do Paraná e de São Paulo foi total. Mesmo inexperientes no esporte, as famosas demonstraram interesse em aprender noções básicas do jogo, como a importância do espírito de equipe e o respeito entre os parceiros, regras fundamentais para o bom desenvolvimento de uma partida. O silêncio na hora da tacada também é essencial para a concentração do golfista. Madrinha do time Rubi, Gabriela Alves (36) contou às colegas de equipe que era a segunda vez que participava de um torneio de golfe organizado por CARAS. "A primeira foi em São Paulo. Gostei tanto que quis continuar. Mas acabou não acontecendo, embora valorize o esporte. Nosso dia-a-dia é tão corrido, momentos de silenciar e meditar são sempre importantes", constatou ela. Após arriscar algumas tacadas, ela contemplou a paisagem. "Além de ser um ótimo contato com a natureza, também é uma integração com você mesma, uma atividade introspectiva, quase uma meditação", disse Gabriela, que finaliza o roteiro do curta Teus Olhos, em homenagem ao pai, o artista plástico Juan Toulier, morto no ano passado. Durante todo o dia, as iniciantes no golfe demonstraram a disposição exigida para a prática do golfe. Afinal, além de ser um esporte que exige concentração, o golfe é excelente opção de exercício físico. Em um campo oficial, com 18 buracos, o praticante chega a percorrer em torno de sete quilômetros. Sheron Menezes (23), da equipe Água-Marinha, foi uma das que fizeram questão de acompanhar de perto a performance de suas parceiras por todo o percurso. "É um esporte difícil, que exige paciência e disciplina. Mas gosto disso porque sou agitada", afirmou ela. O torneio só entre mulheres também foi aprovado pela atriz. "É gostoso ter um dia dedicado a nós. Faço muito isso com minhas amigas, vamos ao teatro, cinema, nos encontramos na casa de alguém para cozinhar e conversar. E é sempre muito divertido como está sendo esta tarde", completou Sheron. Largamente utilizado como ferramenta de entrosamento entre os funcionários nas grandes empresas americanas, o golfe ganha a cada dia novos adeptos no Brasil. O primeiro campo do país foi construído em São Paulo, no final do século XIX, por engenheiros ingleses e escoceses que estavam no país comandando a construção da estrada de ferro Santos-Jundiaí. Desde então, se mantinha como esporte de elite. Situação que começou a mudar em 2004, com a inauguração do primeiro campo público, na comunidade de Japeri, na Baixada Fluminense. Com a popularização do esporte, que hoje contabiliza 25 000 adeptos em todo o país, o golfe começou a chamar a atenção dos grandes executivos para o que os americanos já enxergavam: sua função social. "Viajo muito para os EUA e sempre reparei isso lá. Eles chegam a falar que no green é possível desvendar a índole dos parceiros, o que é fundamental na hora de contratar ou demitir. Já comecei a ouvir esse tipo de comentário aqui também", contou a consultora financeira e atriz Marina Mantega (25), filha do ministro da Fazenda Guido Mantega (57). Madrinha da equipe Ametista, a namorada do ator e diretor Marcos Paulo (56) revelou uma nova faceta em campo. "Sou extremamente competitiva. Para mim, a vida é uma competição." Ao contrário de Marina, a atriz Beth Goulart (46) priorizou o lado zen do esporte. Estreante no green, a madrinha da equipe Turmalina comparou o golfe ao yoga. "É preciso muita concentração para jogar bem. Me lembra a meditação. Tem, por exemplo, a questão do equilíbrio do ombro, que funciona como um pêndulo para dar o impulso. São detalhes que a gente nem imagina. É muito delicado", observou a Neli de Paraíso Tropical - que, com sorte de principiante, encaçapou sua primeira tacada. Esse foi o estímulo que faltava para Beth, que, apesar da pouca intimidade com o golfe, possui uma longa relação com atividades físicas. "Fiz atletismo, basquete e handebol. Hoje faço dança e alongamento, mas confesso que me encantei com as nuances do golfe", completou. Ao final do torneio, uma certeza era unânime: quem passou pelo CARAS Lady Golf adorou brincar de Tiger Woods (31) por um dia. O atual ícone do esporte começou a jogar aos 2 anos, e hoje, segundo a última lista da revista americana Forbes, é o atleta mais bem pago do planeta - faturou cerca de 90 milhões de dólares entre junho de 2005 e junho de 2006. Na trilha do número 1 do mundo, o golfe conquista cada vez mais adeptos, e tem a vantagem de poder ser praticado por pessoas de todas as idades. A atriz Dany Valente (30), madrinha da equipe Safira, jogou pela primeira vez e não quer perder mais tempo. Está disposta a se tornar uma golfista de verdade. "Me apaixonei. Vou fazer aulas de golfe. As meninas do meu time me deram a maior força. Elas me disseram que nasci para ser golfista. Não sei se falaram para me agradar, mas eu acertei bolas dificílimas", contou ela. As aulas, no entanto, só devem começar após as férias que Dany pretende tirar com o fim das gravações de Pé na Jaca. "Em junho quero ir para a Europa com meu marido", adiantou ela, referindo-se ao empresário Nédio Mocellin (41). Já a atriz Bia Seidl (45), madrinha da equipe Diamante, aproveita o final de sua folga. Depois de emendar as novelas Alma Gêmea, da Globo, e Bicho do Mato, da Record, ela quer voltar ao teatro. "Estou lendo algumas peças, mas ainda não decidi o que vou fazer. Gosto que a vida me apresente opções", explicou ela, encantada com encontro feminino. "O golfe é um esporte sofisticado e interessante. É bom ter um dia como esse, só para mulheres", disse ela, que citou a musa Marilyn Monroe (1926- 1962) para valorizar sua equipe. "Diamantes são para sempre! Marilyn sabia tudo ao cantar Diamonds Are a Girl Best Friends. Eles são realmente os melhores amigos da mulher. É a pedra mais poderosa, perfeita e maravilhosa. Não há como resistir", filosofou. Em campo, no entanto, a atriz preferiu torcer. "Não acertei nada. Mas gosto de experimentar", reconheceu Bia. FOTOS: FERNANDO LEMOS Veja mais!NOS INTERVALOS DO JOGO, BOA MÚSICA, BATE-PAPO E DIVERSÃOFLORES, POMPONS E BICHINHOS NOS ACESSÓRIOS DAS GOLFISTASCARDÁPIO LEVE SATISFAZ PALADAR DAS CONVIDADASTORNEIO DE PUTTER ESTIMULA BELDADES A DAREM SUAS TACADASCAMPEÃS LEVAM TROFÉUS E UNDERWEAR DA LINHA MISS SAFÁRI