Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS
Arquivo / Joias e Acessório

Natureza Perfeita

As pérolas conquistam o lugar que era do ouro e voltam a se destacar entre as joias mais cobiçadas

Mayara Krigner Publicado em 08/08/2011, às 19h52 - Atualizado às 15h43

Natureza Perfeita - Getty Images
Natureza Perfeita - Getty Images

Nos últimos anos, o ouro teve uma grande valorização e, com isso, o soberano do mundo das joias abriu espaço para a entrada de pedras preciosas que também fazem sucesso entre as mulheres. A pérola é uma delas. Com o aumento significativo de sua produção mundial, ela se tornou uma opção cada vez mais presente para quem faz e quem compra joias.

Na última década, o preço do ouro cresceu 373%, segundo cálculo feito pelo Instituto Brasileiro de Gemas e Metais Preciosos (IBGM). Muitas causas são atribuídas a esse crescimento. Uma delas foi a crise econômica de 2008. Em momentos de crise, os investidoresbuscam opções mais conservadoras, como o ouro.

Outro motivo para essa expansão do mercado do ouro é reflexo do crescimento de países emergentes. “Na China e na Índia, juntamente com outras nações em rápido desenvolvimento, um grande número de pessoas está desfrutando de quantidades crescentes de renda extra, podendo optar por investir em ouro ou na compra de joias”, diz Juan Carlos Artigas, gerente de pesquisas de investimentos do World Gold Council (WGC), uma organização mundial de desenvolvimento de mercado para a indústria do ouro.

Essa supervalorização do ouro, combinada com o ‘boom’ das fazendas de cultivo de pérolas, principalmente na Ásia, levou o mercado a uma mudança na produção de joias. Enquanto as joalherias injetavam em suas lojas produtos que utilizavam cada vez menos ouro em sua composição, as pérolas voltaram à moda e completaram o look de diversas celebridades em red carpets. “A indústria desenvolveu técnicas de design que uniram o glamour do metal com o colorido de pedras preciosas. Isso garante ao consumidor uma joia bonita e com preço mais acessível”, diz Hécliton Santini, presidente do IBGM.

"As mulheres procuram joias polivalentes e a pérola é muito versátil" (Christian Hallot, Embaixador da H. Stern)

Em 2010, Karl Lagerfeld, estilista da Chanel, desfilou a coleção de alta-costura outono/inverno 2010/2011 no Grand Palais, em Paris. Inspirado no clássico A Bela e a Fera, o show contava com um enorme leão dourado que apoiava uma de suas patas em uma pérola gigante, de onde saíam as modelos. O leão foi inspirado em uma estátua encontrada no apartamento de Coco Chanel e as pérolas eram uma referência ao seu estilo.

Notoriamente, as pérolas estão associadas à tradição. Mas elas não são usadas somente pelas avós. Ao contrário. “Hoje, as maiores consumidoras de pérolas são as mulheres entre 18 e 40 anos”, afirma Christian Hallot, embaixador da H.Stern. “As mulheres procuram joias polivalentes e a pérola é muito versátil. Elas podem dar voltas em um colar comprido, transformá-lo em uma pulseira ou dar um nó no meio, por exemplo”, diz.

Hoje, 99% das pérolas comercializadas no mundo são cultivadas em fazendas, que podem ser de água doce ou salgada. As pérolas mais valiosas e perfeitas vêm da água do mar. Já as gemas
de água doce não são tão esféricas. “Neste caso, é o leito do rio que define o formato da pérola”, completa Hallot.

Segundo levantamento do Cultured Pearl Association of America, os maiores produtores mundiais são Japão, China e Taiti. Cada um deles produz entre 12 e 15 toneladas por ano. Já a Indonésia cultiva 5,4 toneladas, a Austrália, 4,7 toneladas, e Filipinas, 1,7 tonelada. Dessas, nem todas viram joias, uma vez que a qualidade de cada gema varia bastante.

O cultivo em fazendas é comum na Ásia por conta do clima e das condições ambientais. No fim do século 19, o japonês Kokichi Mikimoto desenvolveu a técnica de produção em série de pérolas. O enxerto das ostras funciona de forma semelhante ao que a natureza faz. Originalmente, quando um corpo estranho entra em uma ostra, ela se fecha e começa a ‘combater’ esse invasor. Ela o envolve com uma substância chamada nácar, ou madrepérola, que, futuramente, será a base da pérola natural.

Nas fazendas, o processo é praticamente o mesmo, a não ser pelo fato de que o corpo estranho é chamado de ‘bilha? e é introduzido na ostra manualmente. “Pode acontecer de algumas pérolas rejeitarem essa substância. Quando isso não acontece, ela se torna uma pérola cultivada e esse processo é extremamente delicado. A cada mil ostras enxertadas, apenas 700 vão começar com o processo de cultivo”, diz Justin Hunter, dono da fazenda J.Hunter, que há dez anos produz pérolas nas Ilhas Fiji e possui cerca de um milhão de ostras. “E das 700, apenas 500 ostras vão produzir uma pérola cada, após dois anos de cultivo. Cerca de 250 terão valor comercial e apenas 20 podem ser consideradas perfeitas”, conta Hunter. Quanto mais tempo uma ostra cultiva a pérola, mais esférica ela é. O ideal é o cultivo por cerca de 3 anos e meio a 4 anos. Nesse período, a pérola fica maior e mais perfeita. Consequentemente, mais cara.

A questão do tempo de cultivo também pode atrasar a confecção de algumas joias. “Escolhemos as pérolas mais perfeitas e belas para nossas joias. Tanto que alguns colares demoram anos para se formar, porque esperamos a combinação perfeita das pérolas”, diz Sandro Fernandes, gerente geral da Tiffany & Co. no Brasil.

As pérolas já foram tão valorizadas no passado que, segundo a lenda, a casa onde está localizada a joalheria Cartier, na Quinta Avenida, em Nova York, foi comprada em 1917 do milionário Morton F. Plant com um colar de pérolas naturais.

Por enquanto, é pouco provável que um corretor venda um imóvel na Quinta Avenida em troca de um colar de pérolas. Porém, o status do passado toma conta do presente. E o encantamento causado pelas gemas, sinônimo de sofisticação e desejo, permanece vivo. Mesmo com sua popularização, a pérola continua sendo uma joia cobiçada e um dos maiores símbolos da feminilidade e delicadeza.

"Alguns colares demoram anos para se formar, porque esperamos a combinação perfeita das pérolas" (Sandro Fernandes, gerente geral da Tiffany & Co.)

COMO CUIDAR DAS SUAS PÉROLAS

COMPRA: Ao comprar uma joia de pérolas, observe se no cordão há nozinhos separando uma pérola da outra. Isso evita atritos entre as pérolas e diminui o desgaste delas. E o fio que envolve as pérolas deve ser de algodão, para não riscar as gemas. Examine regularmente a joia e certifique-se de que os engates e os fechos estão seguros.

CUIDADOS: Temperaturas extremas, perfumes, cosméticos e substâncias químicas usadas na limpeza doméstica podem danificar as pérolas. Nunca tome banho, nade ou entre no mar com pérolas. A joia com pérola deve ser a última peça a ser colocada antes de sair de casa e a primeira a ser retirada ao chegar. Quanto mais as pérolas são usadas, mais brilhantes elas ficam. A oleosidade produzida pela pele conserva a peça.

CONSERVAÇÃO Utilize um estojo próprio para guardar suas pérolas. Evite impactos e superfícies abrasivas. Procure guardar em embalagens de camurça. Se o fecho for de diamantes, envolva-o num papel de seda para evitar arranhões. LIMPEZA Para conservar as pérolas, após o uso, limpe com pano macio e um pouco úmido antes de guardar. A peça pode ser lavada com sabonete neutro, bem suave. Após o enxague, deixe secar naturalmente. Este procedimento preserva a cor natural da pérola.