Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

ANDERSON VAREJÃO CELEBRA SEU SUCESSO NA NBA

DE FÉRIAS NO BRASIL, APÓS CONTRATO DE 50 MILHÕES DE DÓLARES, ELE FALA DE SUA ROTINA NOS EUA

Redação Publicado em 17/08/2009, às 17h26 - Atualizado às 17h45

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
O jogador de basquete Anderson Varejão (26) já pode se gabar de ter uma fortuna à sua altura. Com 2m11, renovou contrato com o Cleveland Cavaliers, atual vice-campeão da Conferência Leste, por 50 milhões de dólares para atuar em seis temporadas. Na NBA desde 2004, ele já escreveu seu nome na história da liga profissional americana. O capixaba, um dos cinco titulares do Cleveland ao lado de LeBron James (24), eleito o melhor de 2008/2009, é amado pela torcida, que o apelidou de Wild Thing, coisa selvagem, em referência à cabeleira cacheada. O êxito não diminuiu o contato com o país natal. Varejão, que no início do mês promoveu em suas férias no Rio o Basketball Show - Brasil Charity Game, jogo beneficente em prol da Hope Unlimited, que abrigas crianças e adolescentes moradores de rua, descansou no Hotel Ferradura Private, em Búzios, RJ. Antes de embarcar para Porto Rico, onde no fim do mês defende a seleção brasileira na luta por vaga no campeonato mundial de basquete, que será realizado na Turquia em 2010, o ala-pivô falou com bom humor sobre sua rotina. Está solteiro e garante que é bem menos vaidoso do que seus companheiros de time. "Eles ficam passando hidratante no corpo por causa do frio. Eu não ligo para essas coisas, não", garante, só mudando o tom quando o tema passa a ser cabelo. Encabulado, admitiu que tem, sim, um cuidado especial com seus cachos. - Que imagem os seus amigos do time possuem do Brasil? - Todos respeitam muito o país. Alguns dizem até que conhecem o Rio, que é um lugar muito lindo. - Como é a rotina nos EUA? - É muito corrida. Jogo três vezes por semana, viajo bastante. Em média, são 41 jogos em Cleveland e 41 no restante do país. Chego a ficar 15 dias fora. São poucos os momentos livres. Quando não estou jogando, treino. É trabalhoso. Atuamos até no Natal! - Como aproveita as folgas? - Organizamos um churrasquinho. Faço na casa dos meus amigos porque moro em apartamento, não dá muito certo. Eu gosto de cozinhar. - E tempo para namorar? - Às vezes acontece (risos). No momento, estou focado no trabalho. É difícil conciliar. - Sente falta das brasileiras? - Elas têm qualidades, mas as americanas também têm. Na verdade, minha única restrição em relação a uma mulher é que não pode seja mais alta que eu (risos). - Do que sente mais falta quando não está no Brasil? - Da minha família e dos meus amigos. Também sinto muita falta do clima, ainda mais que sou de Vitória, que tem temperaturas muito agradáveis o ano inteiro. Em Cleveland é muito frio. Mas, como viajamos bastante, dá para fugir um pouco. Jogamos em lugares como Miami, que é quente. - O que mais te liga ao Brasil? - A música. Ouço de tudo, sertanejo, pagodinho, samba, axé, MPB, além de muito hip hop, por causa dos outros jogadores, e Dire Straits, Coldplay, que eu gosto. - Como é o seu relacionamento com o astro LeBron? - Fico feliz por continuar atuando ao lado dele. Antes de renovar o contrato, ele me disse que sou importante na equipe e que não admitiria minha saída de Cleveland. Desde que cheguei ao time, LeBron tem sido um grande amigo e exemplo. Sempre me deu muita força e passou confiança em meu jogo. - E com o resto do time? - Todos são muito amigos, graças a Deus, como uma família. Não existe panelinha. - Como você administra o seu dinheiro? Aplica onde? - Estou bem assessorado. Tenho pessoas ao meu redor que me ajudam, que são informadas e me dão sugestões e indicações do que é melhor fazer.