Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Tiago Santiago: 'É um tabu que se quebra'

Tiago Santiago, autor de ‘Amor e Revolução’, fala a CARAS Online sobre o polêmico beijo gay em sua novela. Destino das personagens Marcela e Marina será decidido pelo público

<i>por Karen Lemos</i><br><br> Publicado em 04/05/2011, às 13h44 - Atualizado em 02/07/2011, às 20h13

Tiago Santiago: revoltado com abaixo-assinado - ORESTES LOCATEL
Tiago Santiago: revoltado com abaixo-assinado - ORESTES LOCATEL

Tiago Santiago decidiu ousar e quebrar um velho tabu na história da teledramaturgia brasileira. Na próxima quarta-feira, 11, sua novela - Amor e Revolução - apresenta o primeiro beijo gay das telinhas. Em conversa com a CARAS Online, o autor garantiu que não teme retaliações ou queda de audiência. "O público conservador não me preocupa muito", disse. "Resolvi fazer essa cena para atender os apelos e anseios da comunidade gay que, embora minoritária, é enorme. Essa comunidade queria se ver retratada na televisão", acrescentou o autor. "É mais um tabu que se quebra, um passo adiante muito importante e uma força na luta contra a homofobia". Na sequência, Marcela (Luciana Vendramini) revela para Marina (Giselle Tigre), chefe do jornal em que trabalha, que tem uma amiga homossexual que está interessada nela. Sem pudor, Marina questiona se essa amiga não seria a própria Marcela. Desconcentrada, ela confessa sua paixão pela amiga e pede um beijo, que ocorre na redação do jornal O Brasileiro. Para colocar a cena no ar, Santiago contou com o aval editorial da emissora. "Não tive recusa ou repulsa na casa. Desde o início, Silvio Santos sempre deu plena liberdade de conteúdo para a novela se desenvolver". Os capítulos de Amor e Revolução ainda estão em processo de criação. Segundo o escritor, não há uma previsão de continuidade entre o envolvimento de Marcela e Marina. "Vou investir nessa história se o público quiser e torcer pelas duas juntas. Decidi que irei abrir uma votação democrática, pela internet ou até mesmo em uma plataforma por telefone", adiantou Tiago.