Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Alexandre Borges em temporada portuguesa

Com Juliana Martins, ele atua no teatro e fala do afeto e das suas raízes lusitanas

Redação Publicado em 26/07/2011, às 18h53 - Atualizado em 08/08/2019, às 15h43

Em Lisboa, eles descansam no calhambeque que vende CDs de fado. - Caras Portugal
Em Lisboa, eles descansam no calhambeque que vende CDs de fado. - Caras Portugal

As idas e vindas a Portugal fizeram com que Alexandre Borges (45) desenvolvesse uma relação afetiva com o país. Nos últimos 26 anos, o ator montou espetáculos em Lisboa, morou de 89 a 90 na cidade do Porto e foi o rei do carnaval luso em 2008. “Me sinto em casa, à vontade, afinal de contas carregamos uma herança deles, falamos a mesma língua”, pondera ele, que agora, ao lado de Juliana Martins (37), encenou a comédia dramática Eu Te Amo em temporada portuguesa. “Alê é um grande parceiro. Sua dedicação na produção foi fundamental para a montagem da peça”, elogia a atriz, durante tour ciceroneada pelo companheiro de cena. Semana que vem, a partir de 5 agosto, a dupla volta a se apresentar no Brasil, no Teatro do Leblon, Rio.

Assumidamente intenso, Alexandre conta que se jogou de cabeça neste projeto porque estava com saudade do teatro. Por causa do filho, Miguel (11), do casamento de 18 anos com Júlia Lemmertz (48), o galã ficou nove anos sem subir aos palcos para não se ausentar do dia a dia do menino. “Não me arrependo da minha escolha. Agora ele está mais independente e chegou a hora de encarar a distância”, avalia, descartando a possibilidade de aumentar o clã. “Temos ele e a Luiza, ambos já grandes. Eu e Júlia ganhamos a liberdade de nos curtir e investir ainda mais em nossas carreiras. Já comecei a fazer isso”, completa, citando a filha de uma relação anterior da atriz, de 22 de anos. Esse novo momento profissional de Alexandre, que veio embalado pelo sucesso do remake da novela Ti Ti Ti, exibida até março no Brasil, mas ainda no ar em Portugal, tem estimulado a ousadia do ator. “Com o Jacques soltei as minhas amarras e ganhei mais popularidade, inclusive no exterior. Aproveitei o universo conspirando a meu favor para voltar a fazer intercâmbio de culturas. Estou insuportavelmente feliz”, comemora ele.