Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

A superação de Susana Werner no amor

Casada com Julio Cesar há sete anos, Susana Werner conta como foi ter de largar a carreira para viver o grande amor de sua vida

<i>por Aline Cebalos</i> <br> <br> Publicado em 11/08/2009, às 13h46 - Atualizado às 13h59

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Susana Werner e família_Flash
Susana Werner e família_Flash
Susana Werner faz parte do time de mulheres que deixou a carreira de lado para se dedicar à família. Casada com o goleiro Julio César, e mãe do Cauet, de 7 anos, e Giulia, de 4 anos, a atriz conta que no começo, não foi fácil tomar esta decisão de largar tudo por amor, mas que hoje vê que valeu, e muito, a pena. De férias no Brasil - ela mora há cinco anos em Milão, Itália - Susana aproveita o tempo livre para matar as saudades de tudo. "Adoro o Brasil, venho sempre que dá. Cheguei no início de junho, nem acredito que fiquei tanto tempo aqui", comemora a loira, que em conversa com o Portal CARAS, conta como foi abandonar sua carreira de atriz e como é o dia a dia ao lado do amor de sua vida. - Você abandonou a carreira para se dedicar à família. Em algum momento se arrependeu? - Não digo que abandonei a carreira, quando tenho alguma oportunidade de trabalho, eu aceito. Fiz uma participação na novela Sete Pecados, da Globo, e o início de Luz do Sol, de outra emissora. Convites sempre rolam, mas tem que calhar com minha agenda. Tem que ser num momento que eu esteja no Brasil e um trabalho com tempo estipulado. Para mim é realmente complicado ficar presa a um projeto, mas nem me preocupo mais com isso, o que pintar, pintou. - Sente falta de atuar mais? - Sinto falta de trabalhar, não importa no que: atuando, desfilando, fazendo presença em eventos... Sinto falta daquela vida sem rotina, de pensar 'onde será que vou estar amanhã?' Mas também é muito boa esta vida de família, de cuidar dos filhos e do meu marido, que está arrebentando. - Em algum momento, chegou a se sentir anulada? - No início me senti muito mal, um pouco inútil até. Pensava 'caramba, o que eu vou fazer da minha vida?' Recebo muitas propostas para trabalhar com futebol, fazer parte de programas, mas não curto. Agora tenho um projeto bacana na Itália. Fui convidada para fazer um diário da Susana na Copa do Mundo do ano que vem, isso sim, adoro fazer. Será uma visão minha do que está acontecendo na Copa. Também fui convidada para participar da dança dos famosos lá em Milão, se for bacana mesmo, vou topar. Adoro dançar e para o pessoal me conhecer, é importante. - Como é a Susana mãe? - Super dedicada. Levo e busco as crianças na escola, no futebol, no balé, sento para fazer a lição de casa com o Cauet. Deixo-os muito à vontade para ser crianças, só dizer não é muito chato. Só fico brava quando eles fazem alguma coisa muito errada, como falar palavrão. Não sou nem um pouco chata. Se não estiverem em risco, eu deixo tudo. Quero muito ser amiga dos meus filhos, que eles me contem tudo. Sou da lei da conversa, falo de todos os perigos, não escondo nada. Outro dia estava vendo o filme Meu Nome Não é Johnny e chamei meu filho para mostrar umas cenas para ele, Cauet ficou horrorizado. Têm coisas que não evito, prefiro que ele saiba da realidade, antes que aconteça com ele mesmo. Gosto muito de estar com minha família, não saio de casa para ficar com eles, tanto aqui no Brasil, quanto lá em Milão. Não saio mais à noite, é muito difícil, discoteca, por exemplo, eu não vou, a não ser que seja uma festa entre amigos num lugar fechado. - E a Susana mulher? - 100% dedicada também. Quando eu gosto, eu gosto mesmo. Sou totalmente apaixonada pelo Julio, como era no começo, se não for até mais. A gente tem uma energia muito boa e o fato de ele viajar muito a trabalho, nos deixa morrendo de saudades um do outro. Digo que é até bom, porque quando a gente se vê, sai até faísca. - O fato de Julio viajar bastante faz com que a chama entre vocês esteja sempre acesa? - Ajuda bastante, por conta das saudades. Fora isso, a gente sempre faz muitas surpresas um para o outro. Comemoro tudo na minha vida, não deixo passar nada. - Vocês completaram sete anos de casados, existe uma fórmula para uma relação dar certo? - Eu não tenho a menor ideia. (risos) Costumo dizer para as minhas amigas que não existe uma regra, o casal tem que querer estar junto, não adianta. O que ajuda muito entre nós, é que somos muito parecidos, temos o mesmo gênio, o mesmo jeito de ver as coisas, os mesmo amigos, gostos... Somos muito parecidos. - Há algum tempo, você disse que está mais ciumenta do que antes. Por quê? - É verdade. À medida que o tempo foi passando, fui ficando mais ciumenta. Acho que é pelo fato de ele ter crescido muito como profissional e o assédio ter aumentado muito também. Quando ele me conheceu, era o contrário. Eu era conhecida e ele estava começando. Lembro que ele me dizia que era chato sair comigo porque todo mundo ficava olhando, abordando. E eu sempre dizia que isso aconteceria com ele, que ele ficaria famoso. Hoje, quando vamos a um restaurante, as pessoas levantam, aplaudem... É estranho e muito bom, torço muito para tudo isso. - Vocês pensam em voltar a morar no Brasil? - Claro, não abandonaremos isso aqui nunca. É o melhor lugar do mundo para se viver, estamos lá a trabalho, mas o Brasil está no nosso coração, é nossa casa.