Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

A intimidade da versátil Luiza Gottschalk

Na disputa por 2 milhões de reais no reality A Fazenda, apresentadora abre seu lar

Redação Publicado em 04/10/2010, às 22h59 - Atualizado em 11/10/2010, às 12h04

Uma das "peoas" da terceira edição de A Fazenda, Luiza abre para CARAS seu lar-ateliê no Jardim Paulistano, em São Paulo. - CAIO GUIMARÃES
Uma das "peoas" da terceira edição de A Fazenda, Luiza abre para CARAS seu lar-ateliê no Jardim Paulistano, em São Paulo. - CAIO GUIMARÃES
Múltipla. É assim que Luiza Gottschalk (26) se define e firma sua posição no mundo. Nascida em São Paulo, criada em uma fazenda na Serra da Mantiqueira, no sul de Minas Gerais, ela estudou no Teatro Escola Célia Helena, tornou-se musa dos gamers no comando dos programas G4 Brasil, na Band, e Combo Fala + Joga, na PlayTV, e ganhou campeonatos de futebol feminino. Hoje, além de estudante de Artes Plásticas na Fundação Armando Alvares Penteado, Faap, sócia da Faz Produções e integrante do grupo teatral Os Satyros, ela figura entre os 15 participantes da 3ª edição do reality show A Fazenda, que estreou na última terça-feira, dia 28 de setembro, na Record. "Sou plural mesmo! Não posso ser uma coisa só", justifica a bela, uma das concorrentes ao prêmio de dois milhões de reais na atração comandada por Britto Jr. (47). "Já vivi com pouco e com muito dinheiro, sempre bem. Nunca passei fome e, talvez por isso, seja desprendida. Lógico que é preciso trabalhar, pagar as contas e sempre fui responsável. Acho complicado quando o dinheiro usa as pessoas, algo comum hoje", comenta a atriz e apresentadora, cujo rosto combina os traços da ascendência alemã por parte de pai, o empresário Peter Gottschalk Jr. (53), e os indígenas da mãe, a designer de interiores Lis Regina Ferreira (51), com quem planeja montar uma ecovillage em Minas Gerais. Com exclusividade para CARAS, Luiza abriu sua morada-ateliê, anexa à casa do pai, no Jardim Paulistano, em São Paulo. - Como você encara a exposição, seja no palco ou na TV? - É um grande poder e, como já disse o tio Ben [personagem do filme Homem-Aranha], 'grandes poderes trazem grandes responsabilidades.' Se a exposição for usada de forma positiva, é possível ter ganhos maravilhosos. Hoje, celebridade virou profissão. Mas é possível ser artista e celebridade. - Você prefere se mostrar ou guardar seus sentimentos? - Eu me expresso, mas estou tentando ser mais inteligente, ou seja, falar a coisa certa na hora certa. 'Vomitar' tudo não leva nada. Não aprendo nem ensino com isso. Estou tentando jogar certo. Se a gente corre demais em um jogo, cansa e acaba perdendo. É preciso correr direito na hora certa. - E como você lida com as diferenças em sua vida? - Sou flexível e de fácil convivência. Já morei com pessoas muito diferentes e sempre segui as regras da casa. Se alguém me xinga, ignoro, e no dia seguinte proponho recomeçar. Nasci para ser feliz e adoro fazer os outros felizes. Transito por várias tribos e acho interessante juntá-las. Todos têm aspectos positivos. Lógico que algumas coisas me irritam, como falsidade e mesquinharia. É importante respeitar e ser respeitado. - Quais são os seus cuidados com a beleza? - Adoro esportes e me exercito praticamente todos os dias. Jogo futebol, faço musculação e corro. Já o meu cabelo virou instrumento de diversão, independentemente de estar bonito ou feio. Me libertei da necessidade da beleza para me divertir mais com a vida. - Como está o seu coração? - Atualmente estou solteira e fugindo de relacionamentos. Sou intensa, costumo me entregar e, desde os 14 anos, tive namoros sérios. Agora é hora de ficar sozinha e descobrir quem eu sou. Quero casar, ter uma família, ficar para sempre com uma pessoa. Porém, a forma de relacionamento estipulada há 500 anos não funciona mais. As pessoas casam, em três meses descasam e depois casam novamente. É preciso encontrar um tipo de relacionamento que funcione. No meu caso, estes relacionamentos sempre acabaram por minha causa. Tenho um instinto selvagem que preciso resolver, senão as coisas nunca darão certo.