Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Etimologia

por Deonísio da Silva* Publicado em 09/05/2011, às 17h00

Etimologia
Etimologia
Apresentador: de presente, do latim praesente, declinação de praesens, presente, antônimo de absens, ausente. Designa profissional de rádio e de televisão encarregado de conduzir as atrações do programa, introduzindo os participantes. Alguns dos mais célebres apresentadores da televisão brasileira vieram do rádio, como Senor Abravanel, o Silvio Santos (81), e Aberlardo Barbosa de Medeiros, o Chacrinha (1917-1988). A mais antiga apresentadora é Hebe Maria Monteiro de Carvalho Ravagnani (82), que começou sua vida artística formando com a irmã, Stella Camargo Reis, a dupla caipira Rosalinda e Florisbela. Estreou como apresentadora de televisão em 1955, com o programa O Mundo É das Mulheres. Em 2006, celebrou a apresentação do 1000º programa na rede de televisão SBT, deixando a emissora em 2010. Atualmente apresenta seu programa na Rede TV!. Concelho: do latim concilium, reunião, assembleia. Ainda hoje designa divisão política e administrativa em Portugal. Ali eram feitos conciliábulos, conciliações e reconciliações, tal como hoje nos parlamentos. Nossa Senhora de Fátima tem este nome porque apareceu na vila de Fátima, no Concelho de Ourém, num lugarzinho muito pobre, conhecido como Cova de Iria. Ironicamente, Fátima veio do árabe fatimah, mulher que desmama a criança, mas se tornou nome de pessoa quando uma princesa moura foi capturada pelo Exército português, por volta de 1158. Tendo casado com um conde de Ourém, as terras que ele lhe deu receberam o nome de Oriana e de Fátima. Prestígio: do latim praestigium, impostura, engano, bruxaria. De início designou no latim a ilusão atribuída a causas sobrenaturais, como a magia, o encanto, o fascínio e a influência causada por pessoas que a praticavam. Depois, indicou ação praticada por pessoas cujo modo de desempenhar o ofício provocava admiração e respeito. Consolidou-se como reconhecimento que sociedades ou corporações dão a determinado profissional. Prestigiar um evento é verbo carregado de certo narcisismo inconsciente. Supõe que quem comparece é mais importante do que quem o promove ou está lá, uma vez que sua presença melhora o conceito do que é ali realizado. Rosário: do latim rosarius, de rosas. Designa objeto composto de contas, para rezar. Contas porque com elas é contado o número de rezas. O terço, em que é tomada a parte pelo todo, herdou o nome de rosário, assim chamado porque as contas antigamente eram grandes e semelhavam rosas. O rosário tem 170 contas, correspondentes a 153 ave-marias, 16 padre-nossos e um Glória. Os dicionários não registram as quatro contas iniciais, fixadas entre as medalhas do Crucificado e da Virgem Maria, que servem de introdução. O terço bizantino tem 110 contas. Quando apareceu aos três pastores portugueses, a partir de 13 de maio de 1917, em Portugal, Nossa Senhora disse que queria ser conhecida como Nossa Senhora do Rosário. Passou então a ser chamada Nossa Senhora do Rosário de Fátima e por fim de Fátima apenas. O lugarzinho onde se deram os eventos sobrenaturais foi a Cova da Iria. Cova quer dizer lugar cavado, buraco, do latim cova. E Iria veio do grego eirene, paz, mesmo étimo de Irene. Santidade: do latim sanctitate, declinação de sanctitas, ligado a sancta, santa, e sanctus, santo. Está ligado ao verbo sancire, ordenar. E também a sanctuarium, gabinete do imperador, com seu caráter de inviolável. É o primeiro atributo de Deus, tal como proclamado por anjos e arcanjos, serafins e querubins, tronos e potestades: "Santo, santo, santo é o Senhor, Deus dos Exércitos". Nesses tempos de campanhas por desarmamento, convém esclarecer que até Deus tem forças armadas, comandas por Miguel Arcanjo, chefe da Casa Militar do Todo-Poderoso, cuja forças foram mobilizadas para vencer Lúcifer e expulsar Adão e Eva do Paraíso, pondo a força a serviço do cumprimento da lei, como hoje nas democracias. Urdir: do latim oridire, depois oridiri, começar a falar, começar a tecer, fazer uma trama. Veio a designar o ofício da aranha, que tece os fios que saliva; o do contador de histórias, que tece as tramas; do escritor, que urde os fios do que narra; do vingador, que prepara os passos e processos de uma vingança.