Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

CAROL CASTRO E MARCO

O INÍCIO DA LUA-DE-MEL NA ROMÂNTICA PARIS

Redação Publicado em 27/07/2009, às 20h40 - Atualizado em 03/08/2009, às 18h13

Com vista para a Torre Eiffel, o casal brinda à paixão no Plaza Athénée. - ALVARO TEIXEIRA
Com vista para a Torre Eiffel, o casal brinda à paixão no Plaza Athénée. - ALVARO TEIXEIRA
As duas cerimônias de casamento de Carol Castro (25) e Marco Bravo (28), a religiosa, no Rio, e a civil, em Brasília, mostradas com exclusividade por CARAS, foram só o início de uma longa celebração da história de sete meses de amor fulminante do casal. Após as festas, os dois seguiram direto para um mês de lua-de-mel na Europa. A primeira parada do roteiro foi estratégica: Paris. Na capital mundial do romance, os atores ficaram hospedados no suntuoso hotel Plaza Athénée, localizado na Av. Montaigne, um dos endereços mais sofisticados do mundo, onde se encontram as principais grifes da alta-costura, como Dior e Dolce & Gabanna. "Era um sonho meu e do Marco. Além de ser linda e romântica, Paris tem uma cultura vasta", disse Carol. O cenário de sedução com a vista para a imponente Torre Eiffel contagiou os recém-casados. E, após o café da manhã na suíte de luxo 888, no último andar da construção de 1911, eles seguiram pela cidade francesa percorrendo bistrôs, museus e praças, além de andar de bicicleta pelos jardins do Palácio de Versailles. "Foi maravilhoso. É uma imagem linda que ficará para sempre marcada em minha memória", comentou Marco. De férias desde o início do mês, quando deixaram o elenco do sucesso teatral Dona Flor e Seus Dois Maridos, após dois anos de trabalho, Marco, que viveu o Professor Epaminondas, e Carol, intérprete da protagonista Flor, aproveitam para festejar juntos a primeira via-gem longa desde o início do romance nos bastidores da montagem. "A gente estava precisando de momentos assim. Mas foi uma decisão muito difícil deixar o espetáculo e a Flor, uma personagem marcante. Foi, seguramente, uma divisória na minha carreira", afirmou Carol. Com ar apaixonado, Marco não deixou de elogiar a amada. "Durante o tempo em que trabalhei com Carol no teatro, comecei a descobrir a grande atriz que ela é. Muito sensível. Entra em cena com tudo, à flor da pele. Foi quando percebi: que mulher talentosa! E nem todas as pessoas viam isso. Mas houve um evidente crescimento profissional dela ao viver a Dona Flor", completou o ator, que também é músico. E antes de seguirem para cidades como Amsterdã, Roma, Veneza, Budapeste e Lisboa, os recém-casados falaram com CARAS sobre os melhores momentos da viagem e os planos para a vida a dois. - O que prefere em Paris, a cultura ou o romantismo? Marco - Os dois estão por todos os lados aqui. O ideal mesmo é aproveitar tudo o que a cidade tem para oferecer. Carol- Tudo é incrível! Os museus, jardins, pontes, cafés... - Qual o momento mais romântico da viagem e que ficará para sempre na lembrança do casal? Carol - Com certeza, o jantar na noite de 14 de julho, o Dia da Bastilha, data nacional francesa, em frente à Torre Eiffel com direito a fogos de artifício e champanhe. Marco - Foi maravilhoso mesmo. Mas o que mais vai me marcar são os nossos momentos nos jardins de Versailles. Quando andamos de bicicleta e nos perdemos por lugares lindos. - São poucos dias de casados, mas vocês já sentem algo diferente no relacionamento? Carol - Sentimos mais firmeza, tranquilidade e harmonia. Marco - Na verdade, nada mudou no que um representa para o outro. Mas há, sim, um maior sentimento de compromisso entre nós. - O namoro de vocês começou cerca de um ano e meio depois de se conhecerem. Quem flertou primeiro e tomou a iniciativa? Marco - Eu comecei a investir, mas sempre com muito respeito. Precisei mandar vários bilhetinhos. E só depois de meses ela deu a primeira resposta. (risos) Carol - O fato de ele ser músico sempre me chamou a atenção. Admiro muito quem trabalha com canções e instrumentos. E, de repente, me deu um clique em muitas coisas, coincidências, gostos, valores em comum. E começou a fluir papos existenciais (risos). Aí passei a prestar mais atenção no Marco. Até brinco com isso. As pessoas ficam buscando alguém longe e não percebem que, muitas vezes, procuram alguém que pode estar bem pertinho, ao seu lado. - Vocês dois sempre exaltam os valores de família. Planejam ter filhos em breve? Carol - Tenho um instinto maternal que me mata (risos). Estou me coçando para ser mãe. A sorte é que treino atualmente com minha sobrinha Luisa, de um ano e oito meses. O Marco também adora crianças. Eu me cuido e por mim esperaria ainda uns dois anos. Mas se engravidar logo, um filho será bem-vindo, uma obra do destino. Marco - Meus pais são casados há 29 anos e nunca os vi brigando. Esse é o exemplo que eu quero ter na minha vida. Eu e Carol temos muitos planos, nos imaginamos com os filhos correndo em casa, brincando. Mas tudo com calma, no momento certo.