Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Noite de reconhecimento para melhores do cinema Nacional

Após movimentar culturalmente a cidade por duas semanas, 12ª Edição do festival do Rio apresenta laureados com troféu Redentor

Redação Publicado em 13/10/2010, às 11h51 - Atualizado às 13h01

Chico Diaz entrega troféu de Melhor Atriz a Karine Teles e Toniko Melo, premiado por Isabel Fillardis, sagra-se o grande vencedor do evento: seu filme Vips conquista quatro estatuetas
Chico Diaz entrega troféu de Melhor Atriz a Karine Teles e Toniko Melo, premiado por Isabel Fillardis, sagra-se o grande vencedor do evento: seu filme Vips conquista quatro estatuetas
As celebridades que lotaram o Cine Odeon na cerimônia de encerramento do Festival do Rio 2010, maior evento audiovisual da América Latina, que movimentou a cidade por duas semanas com mais de 300 filmes nacionais e estrangeiros, assistiram à consagração de Vips, de Toniko Melo (50). "Agora entendo por que Woody Allen não vai a festival. É porque dá um nervoso... O engraçado é que me surpreendi com isso, normalmente sou um cara descolado", disse o diretor, que recebeu o troféu Redentor de Melhor Longa-Metragem de Ficção. A produção, baseada na história real de um golpista que usou mais de 15 identidades falsas e tem estréia prevista para março de 2011, venceu ainda nas categorias de Melhor Ator, Wagner Moura (34), Melhor Ator Coa d juvan te, Jorge D'Elia, e Me lhor Atriz Coadjuvante, Gisele Fróes (46). "Prêmio é bom para mostrar que estamos no caminho certo. Dessa vez gostaram do meu trabalho. Não sei na próxima", brincou ela, de férias na TV após o fim da novela Escrito nas Estrelas, em setembro. Grávida de cinco meses de gêmeos, Karine Teles (32) contou que os bebês - um deles menino, o outro ainda não conseguiu saber o sexo - estavam tão ansiosos quanto ela na hora da premiação de Melhor Atriz. "Não paravam de chutar quando eu estava na cadeira", revelou. "Tenho quase 18 anos de carreira e é a primeira vez que sou reconhecida. E logo em um festival como este!", vibrou ao receber a estatueta das mãos do ator Chico Diaz (51) pela atuação em Riscado. A noite que teve Débora Bloch (47) e Vladimir Brichta (34) como mestres de cerimônia laureou ainda outras 11 categorias com o Redentor. O prêmio de Melhor Direção foi para um estreante em longa, Charly Braun (30), irmão de Guilhermina Guinle (36), pelo filme Além da Estrada. "A sensação é de missão cumprida. Cinema é difícil, mas dá tanto prazer que a gente esquece os problemas", ressaltou Charly. Já Bruna Lombardi (57) contou que, no momento, se divide entre o Brasil e a Espanha, um dos cenários da comédia Onde Está a Felicidade?, seu terceiro filme em parceria com o marido, Carlos Alberto Riccelli (64). "Achei que precisava fazer as pessoas darem risada", disse ela, que faz uma chef de receitas afrodisíacas. Bruna foi uma das juradas dessa 12a edição do Festival, que deu ao curta Geral, de Anna Azevedo (40), o Prêmio Especial de Júri.