No ar em 'Novo Mundo', Maria João Bastos conta por que não tem filhos: 'Foi uma escolha'

Assine

Por CARAS

No ar em 'Novo Mundo', Maria João Bastos conta por que não tem filhos: 'Foi uma escolha'

Atriz agora também estuda a pronúncia brasileira para reduzir sotaque português: 'Precisava de um estudo'

Para fazer a Letícia de Novo Mundo, a atriz Maria João Bastos (41) nem precisaria de aulas com fonoaudióloga. Assim como ela, a botânica que interpreta é portuguesa e seu sotaque da terrinha é muito bem vindo para esta personagem. Mas, já pensando no futuro e em abrir seu leque de opções no País, Maria decidiu estudar a pronúncia brasileira. “São 18 anos indo e vindo ao Brasil, mas sempre tem que trabalhar um pouco mais. Até porque o sotaque que eu faço é totalmente de ouvido. Precisava de um estudo técnico de certas palavras”, explicou ela, que fala fluentemente inglês, francês e espanhol.

A atriz garante que tem facilidade para atuar em todas estas línguas, mas confessa que, no momento, está enfrentando duas pequenas dificuldades: a letra L e o som de ‘ei’. “A palavra beijo, por exemplo, é bem diferente o jeito que falamos em Portugal e aqui, mas não pense que é só de cá pra lá. Os atores brasileiros que estão vivendo portugueses na novela também têm os mesmos obstáculos. Me consultavam bastante”, se diverte. Maria é uma confessa apaixonada pelo Brasil. Acha até que a sua relação com o País é algo espiritual. Ama o povo, o jeito de enfrentar a vida, o clima... Já aprendeu a sambar e não abre mão de mergulhos na praia. Também mantém um apartamento em Ipanema. “Me sinto em casa no Rio. A impressão que dá é que os brasileiros vivem muito a vida, se jogam. Admiro isso. Me identifico com essa maneira de enfrentar os problemas, a vida.”

Maria não tem previsão de volta para sua terra natal. Ao contrário, adoraria fazer mais trabalhos por aqui. Mas ela também circula bem pelo cinema europeu. Já fez, inclusive, um longa-metragem ao lado de John Malkovich (63), Variações de Casanova. E ainda este ano deve filmar mais um trabalho em Paris. “Trabalhar com John foi uma das experiências mais emocionantes e mais marcantes da minha vida. Viajamos juntos para divulgar o filme e ficamos amigos. Ele sempre foi um dos meus atores preferidos.”

A relação profissional com o Brasil começou na novela O Clone, de 2001. Maria já atuava em Lisboa e também possuía uma sólida carreira como modelo. Ela foi descoberta por uma agência quando ainda batalhava seu espaço na TV. Ao aceitar, não imaginava também o sucesso que seria em campanhas publicitárias, sendo, inclusive, premiada como Melhor Modelo do Ano. Mas um dia, ao voltar de Nova York, onde estudava interpretação, Maria estava almoçando com uma amiga quando recebeu uma ligação da Rede Globo. “Achei que era trote, algum amigo meu brincando porque todos sabiam que esse era um antigo sonho.” Sem saber que era verdade, a atriz falou apenas: “Claro, vou pensar sobre isso e te falo depois”. Até hoje, ela se diverte lembrando de sua arrogância com o inesperado convite.

Desde então, foram inúmeros trabalhos lá e cá. “Ouvi muitos ‘nãos’, como todo mundo que subiu degrau a degrau. Mas nunca me deixei ficar triste. O importante é estudar sempre e lutar pelo que você quer. Não pode se deixar abater”, sentencia ela, que utiliza o mesmo ensinamento em sua vida pessoal.

Atualmente solteira, ela nunca teve filhos. “Não aconteceu. Foi uma escolha, mas quem disse que não pode vir a acontecer? Quem sabe do nosso futuro?”, diz.

Uma coisa é certa no futuro de Maria: a carreira como empresária. Assinando uma linha de maquiagem, em outubro do ano passado ela lançou sua primeira coleção, um sucesso na Europa. Agora está colocando no mercado os produtos para o verão, com inspirações na mulher carioca. “É uma delícia fazer isso. Não deixo passar nada. Cuido de absolutamente tudo, da escolha das cores até o lançamento em si. Infelizmente, ainda está complicado trazer para o Brasil, mas não vejo a hora”, explicou ela, que, aproveita esses momentos para colocar em prática tudo o que aprendeu na Fa culdade de Co municação. “Sempre quis ser atriz, mas, por ser uma carreira às vezes difícil, fiz a universidade. Mas já atuava desde os 12 anos. Nunca tive dúvidas sobre isso. O importante é que tudo agrega. Tudo o que estudamos pode ser útil em algum momento de nossas vidas”, explicou ela, que também estudou canto e adora desenhar roupas.

Minha família tem loja de moda. Cresci neste meio. Gosto de criar coisas para mim, inclusive”, disse Maria, que escrevia suas próprias peças teatrais quando criança e até organizava eventos de moda para desfilar com as suas amigas. “Eram um sucesso.Todos os conhecidos participavam, seja na passarela ou na plateia. Era praticamente um Fashion Day local", ri ela, lembrando da criativa infância. 

Tags relacionadas: ilha-de-caras

Notícia publicada Sex, 28 abr 2017 as 11:04, por CARAS.






Mais Notícias de ilha-de-caras