Na Ilha de CARAS, Marcos Frota relembra morte da ex-mulher: 'Muita dor'

Assine

Por Roberta Escansette

Na Ilha de CARAS, Marcos Frota relembra morte da ex-mulher: 'Muita dor'

Com o filho, ator faz balanço da carreira e diz que está em paz após perdas e armadilhas profissionais

Aos 40 anos de carreira, dois casamentos, um circo para chamar de seu e quatro filhos, Marcos Frota (61) constata na Ilha de CARAS que se tornou o ‘senhor do seu destino’. “Hoje, experimento a sensação de liberdade. Durmo em paz e acordo feliz da vida”, conta o intérprete do inesquecível Tonho da Lua da novela Mulheres de Areia, de 1993. Ao lado de Taynã (27), um de seus herdeiros, o ator realça o poder dos sentimentos em uma história marcada por vitórias, mas também de armadilhas na profissão e momentos de dor como a morte da primeira mulher, Cibele, em 1993. “A vida é um somatório de erros e acertos. Não tenho vergonha de nada. Mas se pudesse voltar atrás consertaria algumas coisas. Por que não?”, avalia ele, pai ainda de Apoena (35), Amaralina (37) e Davi (17), este com Carolina Dieckmann (38). “Ele é um homem forte”, elogia Taynã, único que trabalha com ele.

– Tendo filhos criados, o sentimento é de dever cumprido?

– A paternidade é eterna. Agora cabe a mim cuidar da saúde deles. Porque os sonhos eles estão tocando. Nunca imaginei que fosse tão bom chegar aos 61 anos. Ainda tenho o vigor, a alegria e a paixão, mas aliada à sabedoria que a experiência traz. Estou mais paciente... Não tenho que bajular nada e nem ninguém.

– Aos 40 anos de carreira, está satisfeito com sua trajetória?

– O ator é inquieto. Estamos sempre em busca do que virá. É bonito ter um sentimento de gratidão com o que passou. Usar isso tudo o que aprendi, nesses 40 anos de carreira e de vivência. Muita dor e momentos de dificuldades.

– Mas do que está falando especificamente?

– Fiquei viúvo. E as armadilhas que a carreira artística te coloca.

– A fama subiu à cabeça?

– Sim. Já cometi todos os equívocos possíveis. Mas o Tonho da Lua me deu três coisas: um personagem icônico que entrou para a história da televisão e é compartilhado por todas as gerações, contracenar com os grandes nomes da TV brasileira e a humildade. O Tonho da Lua proporcionou aquilo que o artista não pode se esquecer que é tirar o véu da vaidade.

– Então o Tonho foi um marco profissional e pessoal?

– Foi. Naquele ano fiquei viúvo, inaugurei meu circo e fui o tema do Criança Esperança. Foi muito marcante. É impossível esquecer. E quando a minha esposa foi para o céu em um acidente de carro, na frente da minha casa, é difícil falar isso, mas estava preparado pela espiritualidade para passar por esse momento. Minhas queridas Ivani Ribeiro e Solange Castro Neves me introduziram por esse caminho. Elas falavam para eu me divertir com o Tonho, mas para não esquecer do lado espiritual. Quantas lágrimas. Mas sabe o que aprendi? A agradecer mesmo nos momentos difíceis.

– É a lição que tira da vida?

– Acho que o objetivo de todos deve ser a busca e o encontro da paz. Com tanta intensidade, caminhos, dores, perdas e emoções digo que estou curtindo este momento que é o encontro comigo.

Tags relacionadas: Carolina Dieckmann | ilha-de-caras

Notícia publicada Qua, 19 abr 2017 as 10:04, por Roberta Escansette.






Mais Notícias de ilha-de-caras