Meryl Streep emociona com discurso contra Donald Trump no Globo de Ouro

Assine

Por CARAS Digital

Meryl Streep emociona com discurso contra Donald Trump no Globo de Ouro

Atriz, premiada por sua contribuição ao cinema, falou sobre a responsabilidade dos artistas, pediu à imprensa para fazer seu papel e defendeu os estrangeiros nos Estados Unidos

A atriz Meryl Streep, de 67 anos, recebeu o prêmio Cecil B. DeMille no Globo de Ouro 2017 por sua contribuição ao cinema. Ao agradecer a honraria, a maior estrela do cinema americano fez um discurso sobre Hollywood, arte e Donald Trump. 

“Obrigada, Associação de Correspondentes Estrangeiros de Hollywood. Só para citar o que o Hugh Laurie disse: Você e todos nós aqui pertencemos aos grupos mais desprezados da sociedade norte-americana atualmente, pensem nisso: Hollywood, estrangeiros e a imprensa", brincou ela, que pediu desculpas por estar sem voz, mas seguiu firme no discurso. "Mas quem somos? O que é Hollywood? Só um monte de gente de outros lugares. Eu nasci e cresci nas escolas públicas de Nova Jersey, Viola veio da Carolina do Sul, Sarah Paulson nasceu na Flórida e foi criada pela mãe solteira no Brooklyn, Sarah Jessica Parker é uma das sete ou oito crianças de Ohio, Amy Adams nasceu em Vicenza, na Itália, e Natalie Portman nasceu em Jerusalém. Onde estão suas certidões de nascimento? Ruth Negga nasceu na Etiópia, foi criada na Irlanda e está aqui indicada pelo papel de uma jovem da Virginia. Ryan Gosling, como todas as pessoas boas, é canadense. E Dev Patel nasceu no Quênia, cresceu em Londres e está aqui indicado pelo papel de um indiano criado na Tasmânia. Então Hollywood está rastejando com os estrangeiros, e se mandarmos eles para fora, só assistiremos futebol e MMA, o que não é arte", ressaltou. 

Meryl falou sobre a responsabilidade de um ator: “O único trabalho de um ator é entrar na vida de pessoas diferentes de nós e fazer com que vocês sintam como isso é. E há várias performances neste ano que fizeram exatamente isso, mas há uma performance que me chocou.

Sem citar o nome de Trump, a atriz lembrou o caso em que ele fez piada com um jornalista portador de uma doença congênita, no ano passado. "Quando eu vi isso, partiu meu coração, e eu ainda não consigo tirar isso da cabeça porque não aconteceu num filme, e sim na vida real. Esse instinto de humilhar, quando feito por alguém numa plataforma pública, afeta a vida de todo mundo, porque dá permissão para outros fazerem o mesmo. Desrespeito convida desrespeito, violência incita violência. Quando os poderosos usam de suas posições para praticar bullying contra os outros, todos nós perdemos", falou. 

Meryl pediu para que a imprensa fizesse o seu papel mais do que nunca a partir de agora. “É por isso que nossos fundadores consagraram a imprensa e suas liberdades na nossa Constituição“, disse, arrancando aplausos da plateia. Antes de encerrar, ela citou Tommy Lee Jones ao dizer como o amigo mostrou para ela que 'era um privilégio ser uma atriz' e pediu mais empatia dos colegas. "E como disse uma querida amiga minha, a Princesa Leia [personagem de Carrie Fisher, que morreu há duas semanas], pegue o seu coração partido e transforme em arte", finalizou. 

Repercussão

Scott Coker, presidente do Bellator MMA, respondeu ao discurso de Meryl com uma carta aberta, pois se sentiu ofendido com a parte em que ela diz que MMA não é arte. "Eu sou um fã seu há muito tempo, mas também sou fã de MMA que promovem mistura de artes marciais pelo mundo todo. O MMA celebra atletas masculinos e femininos por todo o mundo que trabalham anos incansáveis conquistando suas habilidades e - sim - sua arte. Eles vêm de diferentes países e caminhos na vida", disse ele, que a convidou para ir assistir a uma luta ainda neste mês. 

Tags relacionadas: Meryl Streep | Donald Trump | Globo de Ouro | cinema

Notícia publicada Seg, 9 jan 2017 as 09:01, por CARAS Digital .






Mais Notícias de cinema